Comissão presidida por Eduardo aprova repúdio a Fernández por “Lula livre”

Presidida pelo deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), a Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN) da Câmara aprovou uma moção de repúdio ao novo presidente da Argentina, Alberto Fernández. A comissão acusa Fernández de ter ferido o decoro internacional por conta das manifestações de apoio ao ex-presidente Lula e foi aprovado pela base do governo, sob forte resistência da oposição nesta quarta-feira (6).

> AI-5: Eduardo nega se desculpar na Câmara e pede debate sobre 1964

A moção de repúdio foi proposta pelo deputado Luiz Phillipe de Orleans e Bragança (PSL-SP), que, assim como já havia feito o presidente Jair Bolsonaro, classificou como uma ofensa e uma afronta as manifestações do presidente eleito pelos argentinos em relação a Lula. No requerimento, o deputado pediu, então, que a Câmara manifestasse repúdio a Alberto Fernández "por desrespeito às decisões das instituições judiciais do estado brasileiro, por quebra de decoro internacional que preza pelas boas relações diplomáticas, pelo ativismo político em questões internas do Brasil e pelo desagravo a uma parcela expressiva da população brasileira".

A oposição, contudo, questionou o pedido do deputado do PSL argumentando que o Congresso e o governo brasileiro devem prezar pelas relações políticas e internacionais. A oposição lembrou ainda que Bolsonaro já havia feito críticas a Fernández antes do presidente argentino declarar apoio a Lula, da mesma forma como já opinou sobre as decisões políticas da Venezuela e do Uruguai. Por fim, sugeriu que tal atitude poderia interferir nos acordos comerciais com a Argentina.

Para tentar barrar a aprovação da moção de repúdio a oposição ainda apresentou uma série de requerimentos. Os deputados Alexandre Padilha (PT-SP) e Paulão (PT-AL), por exemplo, pediram a retirada de pauta, mas foram derrotados pela base do governo. Padilha ainda pediu a votação nominal e o adiamento da votação sobre o requerimento referente à Argentina, mas também não conseguiu avançar com essas propostas.

PT e Psol entraram, então, em obstrução e cobraram que a Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional também pautasse o requerimento apresentado pela oposição manifestando repúdio à sugestão de Eduardo Bolsonaro sobre a volta do AI-5.

Mesmo assim, a moção de repúdio a Alberto Fernández foi aprovada. A decisão foi comunicada por Eduardo Bolsonaro nas redes sociais. Veja:

> Câmara paga R$ 164 mil por palestra de intelectual-celebridade

Campanha do Congresso em Foco no Catarse

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!