Comissão da reforma tributária deve pressionar Guedes a descartar CPMF

O Congresso em Foco ouviu deputados e senadores membros da comissão especial da reforma tributária. Eles deram a opinião sobre o impacto da entrada do ministro da Economia, Paulo Guedes, no debate político sobre a iniciativa. O grupo é presidido pelo senador Roberto Rocha (PSDB-SP) e relatado pelo deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB).

A maioria se disse otimista e avaliou como positiva a participação do ministro, que vai ser ouvido pela comissão na quarta-feira (5). No entanto, alguns são céticos, como o líder do PSL e subrelator da comissão, senador Major Olimpio (SP). “Ele vai como Chacrinha : eu não estou aqui para explicar, mas para complicar”.

As principais informações deste texto foram enviadas antes para os assinantes dos serviços premium do Congresso em Foco. Cadastre-se e faça um test drive.

O deputado Luís Miranda (DEM-DF) vê com bons olhos a ida do ministro e disse que ela vai ajudar a dar o foco do que deve ser aprovado na reforma. O deputado disse ser contrário a ideia de uma nova CPMF e afirmou que Guedes vai ser pressionado caso resolva debater a iniciativa.

“Ouvi algumas pessoas dizendo que ele vai querer fortalecer o assunto da CPMF, é um direito dele, democrático. É bom que se for de fato isso, já podemos matar o assunto ali mesmo, na primeira reunião ele sente a pressão se vai ter espaço para isso ou não e partimos para o mais importante que é a aprovação da PEC no seu todo”.

> José Serra pede que reforma tributária seja discutida após a pandemia

O líder da minoria no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), também disse que a ida de Guedes vai servir para descartar a ideia da CPMF. “É um primeiro passo. Pelo menos ficará clara quais ideias não podem prosperar, esta que o ministro está defendendo que implica em mais impostos”.

O senador Jaques Wagner (PT-BA) vê com indiferença a participação de Guedes nas discussões. “Na minha opinião não muda, a interlocução dele não é das melhores”.

O deputado Tadeu Alencar (PSB-PE) afirmou que, independente da atuação do ministro, o Congresso demonstra vontade de fazer a matéria andar. “Acho que o tema vai ganhar impulso. A ida do ministro reforça isso, mas o Parlamento, parece-me, já decidiu levar a tarefa a termo”.

O senador Oriovisto Guimarães (Podemos-PR) disse que a ida do ministro ajuda a reforma e é importante. O deputado Alexis Fonteyne (Novo-SP) destacou o fato da comissão ter voltado a funcionar na semana passada e disse que “com certeza” a participação de Paulo Guedes ajudará na tramitação.

O ministro enviou há duas semanas a primeira parte das sugestões do governo sobre a reforma, a que unifica impostos federais sobre consumo em um único tributo. Ainda faltam ser enviados os textos que tratam de impostos sobre produtos industrializados, Imposto de Renda e desoneração da folha de pagamento com a criação de um tributo sobre transações.

> Governo deve enviar PEC que cria nova CPMF e espera arrecadar R$ 120 bi

> Bernard Appy: PL de Guedes pode desviar atenção de reforma tributária ampla

 

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!