Centrão considera Ministério da Saúde vidraça e não quer indicar nome

Os partidos que estão em processo de aproximação com o presidente Jair Bolsonaro escolheram ficar distantes dos desdobramentos da demissão de Nelson Teich do Ministério da Saúde.

Tradicionalmente ocupado por indicações políticas em governos anteriores, a avaliação é que articular para assumir o cargo neste momento traz mais prejuízo do que benefício. O presidente Jair Bolsonaro também não tem procurado os representantes partidários para decidir a escolha.

O crescente número de mortes pelo coronavírus e as divergências no uso da cloroquina, defendida por Bolsonaro, e vista com cautela pelos dois últimos ocupantes da pasta, afastam o Centrão, grupo suprapartidário de centro e direita, de querer o posto.

As principais informações deste texto foram enviadas antes para os assinantes dos serviços premium do Congresso em Foco. Cadastre-se e faça um test drive.

Um integrante do PP próximo do presidente nacional da sigla, senador Ciro Nogueira (PI), avalia que essa área do governo é “uma bomba chiando”.

Após o anúncio do pedido demissão de Teich, o comportamento da maioria das legendas que negociam cargos com o governo foi de silêncio.

Parte dos deputados do grupo defende que seja escolhido o atual secretário-executivo, general Eduardo Pazuello, pois é um nome mais equilibrado que o deputado Osmar Terra (MDB-RS), que almeja o posto e tem contrariado teses científicas consolidadas de combate à crise.

O presidente negocia formar uma base legislativa no Congresso e em troca tem oferecido cargos no segundo escalão. As negociações mais avançadas têm sido no PP, Republicanos, PSD e PL.

No Ministério da Saúde, o PL deseja emplacar uma secretaria, mas vê pouco espaço porque a pasta está repleta de militares.

O PSD conseguiu uma das diretorias da Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas deseja ainda o comando da Fundação Nacional da Saúde (Funasa).

Integrantes do Centrão que não tem participado das negociações com o governo e são próximos do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se manifestaram sobre a demissão de Teich.

>Políticos reagem à saída de Teich: “Bolsonaro quer um charlatão fanático”

O presidente nacional do Solidariedade, deputado Paulinho da Força (SP), divulgou uma nota com duras críticas à gestão do governo na saúde.

"Duvido que alguém consiga fazer o presidente aprender com a ciência e perceber que reduzir o isolamento social é colocar mais brasileiros na fila de espera por uma vaga na UTI. O Brasil precisa de liderança, mas vai ser difícil encontrar um ministro que seja capaz de lidar, ao mesmo tempo, com a crise sanitária e com os impulsos de Jair Bolsonaro", disse.

A mesma linha foi seguida pelo deputado Marcelo Ramos (PL-AM): “diante das imposições do presidente, só topará ser ministro da Saúde quem não tiver compromisso com a ciência e nem com medicina. O pedido de demissão do ministro demonstrou que ele tem”.

>Weintraub irrita Centrão por atrasar indicações, mas grupo acha difícil ministro sair

>Nelson Teich pede demissão do Ministério da Saúde

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!