Cármen Lúcia nega pedido da defesa de Marcony para não comparecer à CPI

Com o argumento de que Marconny Albernaz seria ouvido pela CPI da Covid na condição de investigado, não de testemunha, a ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou o pedido de reconsideração apresentado pela defesa do advogado  para não comparecer ao depoimento na manhã desta quinta-feira (2).

A ministra já havia negado na quarta-feira (1) o pedido de não comparecimento, garantindo a Marconny o direito de permanecer em silêncio sobre fatos que pudessem incriminá-lo, mas vedando-lhe faltar com a verdade sobre os demais questionamentos. De acordo com informações apresentadas nos autos pelo Senado Federal, Marconny não compareceu à Comissão Parlamentar de Inquérito hoje, e, por isso, seria necessária a adoção de medidas como a determinação de condução coercitiva, retenção de passaporte e condenação por litigância de má-fé, entre outras.

A CPI da Covid decidiu acionar o STF para garantir a  condução coercitiva de Marconny Albernaz após o advogado não comparecer ao depoimento.  A polícia legislativa foi acionada e passou a buscar o depoente, cujo paradeiro paradeiro era desconhecido. Os senadores encontraram um elo que liga o advogado ao filho 04 do presidente Jair Bolsonaro, Jair Renan.

Veja a íntegra da decisão:

 

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusiva
mente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito.

Mantenha o Congresso em Foco na frente.
JUNTE-SE A NÓS

Continuar lendo