Câmara destina R$ 9 bilhões de fundo do BC para o combate à covid-19

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (12) a Medida Provisória 909/19, que extingue o fundo da Reserva Monetária do Banco Central. Uma mudança incluída pelos deputados destina todo o dinheiro do fundo ao financiamento de ações de combate ao novo coronavírus: cerca de R$ 9 bilhões, de acordo com o balanço de 2019.

O texto segue agora para o Senado e precisa ser votado lá até 18 de maio, ou perderá a vigência.

> Senado vota projeto que suspende inclusão de consumidor no SPC e na Serasa

Pela MP original, os recursos do fundo, criado em 1966 com parcela da arrecadação do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), seriam liquidados e destinados ao pagamento da dívida pública federal.

O relator, deputado Luis Miranda (DEM-DF), acolheu emendas para mudar o destino desse dinheiro e aplicá-lo na compra de materiais de prevenção à propagação  do novo coronavírus.

"Diante da pandemia, não faz mais sentido destinar o FRM [fundo formado pelas reservas monetárias] exclusivamente para o pagamento da dívida pública federal", argumentou. "O Parlamento tem responsabilidade de apontar iniciativas e ações necessárias ao combate à Covid 19 e, igualmente, prever fontes de recursos para apoiá-las."

Distribuição

A divisão do montante será da seguinte forma: 50% para estados e Distrito Federal e 50% para os municípios, distribuídos por critérios a serem estabelecidos pelo Poder Executivo. O governo federal deverá levar em conta, entre outros parâmetros, o número de casos de Covid-19 de cada localidade.

O dinheiro só será liberado se os entes apresentarem um protocolo de atendimento das regras estabelecidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para o combate ao novo coronavírus. E será obrigatória a divulgação, na internet, dos dados de contratações e compras feitas com esses recursos.

Destaque

O Plenário aprovou o destaque do Psol e retirou da MP  a determinação de que os R$ 9 bilhões fossem usados para proporcionar condições de abertura dos estabelecimentos comerciais durante a pandemia de Covid-19.

O relator argumentou que propiciar a reabertura do comércio ajudaria a cuidar da saúde e da economia do País, mas a matéria foi considerada tema estranho e fator de constrangimento para os governadores, na visão da maioria dos parlamentares.

> Deputados bolsonaristas cobram orientação do governo para votações

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!