Bolsonaro promete atuação conjunta de Guedes e Moro no Coaf e convence PSL a não alterar MP 870

Para convencer a bancada de seu partido, o PSL, a não alterar o texto da Medida Provisória 870, da reforma administrativa, e não correr o risco de ver a proposta perder a validade, o presidente Jair Bolsonaro disse aos senadores que os ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Justiça, Sérgio Moro, trabalharão juntos no Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

O Senado vai analisar a MP nesta terça (28). O texto que chegou da Câmara, colocou o conselho sob a guarda do Ministério da Economia, mas será apresentado um destaque para devolver o órgão à Justiça. Bolsonaro convocou uma reunião com quase toda a bancada do seu PSL – Major Olimpio (SP) e as senadoras Juíza Selma (MT) e Soraya Thronicke (MS); menos seu filho Flávio Bolsonaro (RJ) – para pedir que eles não avalizem a mudança. Com isso, os senadores do partido do presidente votarão pela manutenção do texto da Câmara.

>> Bolsonaro intervém e convoca bancada do PSL no Planalto para tentar impedir mudanças na MP 870

Em reunião no Ministério da Economia no fim na manhã desta terça-feira (28), decidiu-se que Moro poderá indicar os coordenadores do Coaf. Quando começou o debate sobre o destino do conselho, Guedes já havia prometido ao colega manter a diretoria que o ex-juiz havia colocado no órgão em uma reestruturação que já havia iniciado.

Ao enviar a MP para o Congresso, o governo queria o Coaf no Ministério da Justiça. Moro então deu início a uma ampliação do conselho, à qual Guedes também prometeu dar continuidade.

Olimpio saiu convencido. Esses três votos que não serão dados ao destaque farão diferença no plenário essa tarde, em uma votação que se espera apertada. A intervenção pessoal do presidente fez-se necessária a partir da percepção de que nenhuma medida aplicada até o momento estava surtindo resultado.

Mais cedo, ele enviou por meio do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), uma carta dando aval à sua base aliada ao texto da MP 870 conforme aprovado na Câmara, sem mudanças. O documento foi assinado também pelos ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Justiça, Sérgio Moro.

>> Para senadores, apenas participação pessoal de Bolsonaro pode garantir MP 870

Além disso, o próprio Moro, principal interessado em ter o Coaf na Justiça, telefonou mais cedo para Olímpio pedindo que ele não votassem pela mudança. Embora o ex-juiz fizesse campanha para ter o conselho sobre sua guarda, sabe que perder a MP causaria um caos administrativo ao governo.

Desde semana passada, quando a Câmara avalizou que o conselho ficaria sob a guarda da Economia, o responsável pela articulação política, ministro Onyx Lorenzoni, tem atuado nos bastidores para tentar impedir a aprovação de destaque. Mas não tinha conseguido convencer os senadores da base, do partido do presidente.

 

>> Câmara aprova MP 870 sem “jabuti” que limita atuação da Receita. Coaf saiu das mãos de Moro

>> Veja quem votou contra e a favor da manutenção do Coaf com Moro

Câmaracoafflavio bolsonaroJair BolsonaroJuíza SelmaMajor OlímpioMP 870Onyx LorenzoniPaulo Guedesreforma administrativaSenadoSérgio MoroSoraya Thronicke