Bolsonaro está com “ciúmes e inveja” do brilho de Mandetta, diz Frota

“Eu avalio que o Ministério da Saúde, via Mandetta e sua equipe, estão fazendo um excelente trabalho”, disse o deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) ao Congresso em Foco nesta terça-feira (7). Para ele, o trabalho técnico será posto à prova pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo deputado e ex-ministro Osmar Terra (MDB-RS).

Na opinião de Frota, Bolsonaro está com “ciúmes e inveja” do brilho do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. O deputado federal, ex-aliado de Bolsonaro, avalia que o presidente não tem “inteligência” para conseguir fazer a gestão da crise decorrente do novo coronavírus. Na visão de Frota, está em curso um processo de fritura do ministro da Saúde, a exemplo dos que ocorreram em outras ocasiões com outros ministros e aliados do presidente.

Dirigente da OMS na América Latina diz que explicar isolamento salva vidas

A proximidade com Osmar Terra se dá em um momento em que Bolsonaro está isolado nas visões sobre as medidas para combater a pandemia. “Ele [Bolsonaro] encontra respaldo no exonerado Osmar Terra”, disse Frota. Na segunda-feira (6), surgiram notícias dando conta da saída de Mandetta do cargo. Bolsonaro acabou demovido da ideia ao ser convencido por militares, que fizeram a leitura de que a demissão poderia abrir espaço para que o Congresso acolhesse um dos pedidos de impeachment que foram apresentados.

Frota acredita que, ainda que depois da crise, Bolsonaro acabará exonerando Mandetta e avalia que Osmar Terra será o substituto. “Ele está pronto para entrar e para ir contra tudo que a OMS [Organização Mundial da Saúde] está fazendo, apoiando o Bolsonaro”, disse.

Gestão da cultura

O deputado aproveitou para criticar a gestão de Osmar Terra à frente do Ministério da Cidadania, pasta que o gaúcho comandou entre janeiro de 2019 e fevereiro de 2020. “Ele acabou com a cultura no país, porque ele não entende nada”, avaliou.

Osmar Terra foi exonerado depois de sucessivos problemas na pasta envolvendo o programa Bolsa Família e reassumiu o mandato na Câmara dos Deputados. Foi sucedido pelo ministro Onyx Lorenzoni, que deixou a Casa Civil.

Além da ruptura com Bolsonaro, Frota também rompeu com Osmar Terra depois da transição de governo. Segundo ele, Terra o traiu com o aval de Bolsonaro depois de Frota ter auxiliado nas estratégias para a área de cultura, à época sob o guarda-chuva da Cidadania.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!