Base do governo adia análise de autonomia da PF na Câmara

Os deputados federais Felipe Franscischini (PSL-PR) e Major Vítor Hugo (PSL-GO) disseram nesta quinta-feira (12) que o projeto de lei que trata da autonomia da Polícia Federal será adiado por tempo indeterminado na Câmara dos Deputados.

O temor dos deputados do partido do presidente Jair Bolsonaro é que a iniciativa seja interpretada como reação ao comportamento do mandatário em relação a PF.

> Delegados criticam Moro e dizem que interferência política parou PF

“Tem que tentar articular para ver no que todas as correntes pensam e se há possibilidade de tocar a matéria”, disse Franscischini ao Congresso em Foco. O deputado  é presidente da CCJ (Comissão e Constituição e Justiça).

Nas últimas semanas o paranaense agiu para agilizar a análise do projeto de lei na CCJ. Ele definiu o deputado João Campos (Republicanos-GO) como relator e apontou o mês de setembro para aprovar o projeto na comissão.

A pedido do presidente Jair Bolsonaro, o líder do governo na Câmara, Major Vítor Hugo, conversou com o presidente da CCJ e pediu para que iniciasse a tramitação do projeto em outro momento. “Já conversei com Francischini e vou ter a oportunidade de conversar mais”, disse ao Congresso em Foco.

O ensaio de retomada do projeto de autonomia da PF aconteceu em meio à tentativa de Bolsonaro de interferir na nomeação do superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro.

O presidente recuou da ação de mudar o comando da PF no Rio, mas já afirmou publicamente mais de uma vez que pode demitir Maurício Valeixo da direção geral da Polícia Federal.

Após a declaração do presidente de que ele é “quem manda” na definição dos cargos de comando do órgão, delegados federais decidiram cobrar dos congressistas a aprovação da autonomia administrativa, financeira e orçamentária da Polícia Federal, além da fixação de um mandato fixo para o diretor-geral da instituição.

O presidente da CCJ, que é filho do delegado da PF e deputado estadual Fernando Francischini (PSL-PR), minimizou em agosto ao Congresso em Foco o atrito causado com a intervenção na categoria no Rio de Janeiro.

“Acho que vai pacificar. Vi muito por cima, não entrei muito na questão para ver o que aconteceu, mas eu tenho certeza que vai pacificar”, disse.

> Bolsonaro abre crise com a PF após interferência no Rio
>Delegados cobram autonomia da PF e postura de estadista de Bolsonaro

felipe francischiniJair BolsonaroMajor Vitor HugoPFPSLSérgio Moro