Após reclamação de Bolsonaro, relator quer manter R$ 2 bi no fundo eleitoral

O relator-geral da Comissão Mista de Orçamento (CMO), deputado Domingos Neto (PSD-CE), quer manter o valor originalmente previsto pelo governo federal no financiamento das campanhas eleitorais, ou seja, R$ 2 bilhões.

“Vou trabalhar para convencer os partidos a manter R$ 2 bilhões”, disse nesta quinta-feira (12) ao Congresso em Foco. A CMO se reúne na terça-feira (17) para votar o relatório final.

Acordo construído na terça-feira (10) previa um recuo em relação ao montante de R$ 3,8 bilhões, aprovado semana passada no relatório preliminar, a pedido de 13 partidos. Pelo entendimento, seria resgatado o valor de R$ 2,5 bilhões, estipulado na primeira proposta enviada pelo governo. Na versão mais recente, o Executivo propôs que o fundo ficasse em R$ 2 bilhões.

> Fundo eleitoral de R$ 3,8 bilhões: veja como cada deputado votou

O presidente Jair Bolsonaro reagiu no Twitter à divulgação de notícias que atribuíam a ele o acordo em favor da restituição dos R$ 2,5 bilhões. O presidente negou ter participação nas negociações:

A possibilidade de elevação do fundo gerou muito desgaste para os políticos. O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, acusa o Congresso Nacional de retirar R$ 500 milhões da área para financiar campanhas eleitorais.

Além da pressão, os congressistas citam também um receio de que a proposta com valor maior não ser aprovada em uma das casas do legislativo ou de ser vetada por Bolsonaro. No segundo caso, o texto voltaria para o Congresso, e os deputados e senadores ficariam com toda a responsabilidade de aprovar o aumento da verba.

> Parlamentares tentam reaver verba do fundo eleitoral para saúde

> Veja como cada congressista votou a medida que permite aumento do fundo eleitoral

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!