Ao Estadão, Janaína critica reação de Flávio Bolsonaro às investigações

Publicada no último sábado (27) pelo jornal O Estado de S. Paulo, uma entrevista com a deputada estadual eleita Janaína Paschoal (PSL-SP) mostra a futura parlamentar disse ter sentido "um balde de água gelada" com o início do governo Bolsonaro, especialmente com relação a congressistas eleitos pelo PSL.

Eleita com mais de 2 milhões de votos em São Paulo, a autora do pedido de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) avaliou ao Estadão que Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), alvo de suspeitas devido a investigações sbre seu ex-assessor Fabrício Queiroz, teve uma reação "parecida com a que foi a de Aécio, com a que é a do Lula até hoje".

A deputada eleita, que também é jurista, condenou a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux de suspender as investigações do caso a pedido da defesa de Flávio. O senador eleito alegava que o MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) não teria competência para apurar o caso com o nome de Flávio envolvido, já que ele terá foro privilegiado a partir da próxima sexta (1).

"Foi um erro [o pedido ao STF]. Porque ainda que não tenha errado, gerou uma situação, um sentimento, 'poxa', mas por que não explica logo? E é um sentimento legítimo", disse Janaína na entrevista.

Em outro trecho da conversa, a jurista também criticou a atitude de parte da bancada federal do PSL de ter ido à China. "É diferente ser um ativista e ser um parlamentar", declarou.

No Twitter, no início da tarde deste domingo (27), a deputada eleita reiterou "apoio e carinho" a Bolsonaro, que passa por cirurgia nesta segunda (28), e afirmou que "Infelizmente, as pessoas tomam independência por oposição".

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!