Alvaro Dias: se o MDB se unir tem chance de ganhar a presidência do Senado

O líder do Podemos no Senado, Álvaro Dias (PR), disse que a senadora Simone Tebet (MDB-MS) tem chances de ser eleita presidente da Casa, mas que para isso é necessário que consiga unir a bancada de 15 senadores do MDB em torno de seu nome.

"Para marcar posição nós podemos tentar ganhar com a Simone, quem sabe ela consiga os votos no MDB. Se ela conseguir todos os votos no MDB, tem chance. Nós não teríamos votos no MDB, por isso não lançamos [candidatura própria]. A Simone já disputou a outra [eleição para presidente do Senado], é um nome que já estava propondo a sua própria candidatura há um bom tempo", afirmou ao Congresso em Foco.

O conteúdo deste texto foi publicado antes no Congresso em Foco Premium, serviço exclusivo de informações sobre política e economia do Congresso em Foco. Para assinar, entre em contato com comercial@congressoemfoco.com.br.

O partido de Alvaro Dias anunciou ontem (13) que apoia a candidatura de Simone. Apesar disso, dois senadores vão votar em Rodrigo Pacheco (DEM-MG). São eles Romário (Podemos-RJ) e Marcos do Val (Podemos-ES).

"O partido como sempre anuncia a recomendação do voto, mas respeita a posição individual, sempre foi assim em todas as matérias", disse Alvaro Dias.

Sem contar com as dissidências, o bloco (MDB, Podemos e Cidadania) de Simone tem 27 senadores. Há também três senadores tucanos que a apoiam.

Já o grupo partidário (DEM, PSD, PP, PT, PDT, Pros, Republicanos, PSC e PL) que apoia Pacheco é formado por 41 congressistas, o que em tese já o tornaria eleito, mas pode haver dissidências nos outros partidos. No PSDB, o mineiro tem apoio de mais quatro senadores.

Da mesma forma que Simone sofre com as divergências no Podemos, senadores de partidos que estão com o mineiro também podem apoiar  Simone. Um caso já confirmado é o do senador Esperidião Amin (PP-SC), que vai votar na emedebista em detrimento da decisão do partido.

> Pacheco negocia presidências de comissões com PSD, PP e PT

> PSDB libera senadores para votarem em Simone ou Pacheco

O senador de Santa Catarina comentou a decisão por meio de nota:

"Vou votar na Simone Tebet porque acho que o meu amigo Rodrigo Pacheco, sendo candidato do Davi Alcolumbre, não vai poder criticar, nem modificar legados com os quais eu não concordo. Por exemplo, a decisão tomada unilateralmente pelo presidente Davi Alcolumbre no final do ano, mandando simplesmente arquivar todos os processos e pedidos de impeachment aos ministros do STF. Outras questões necessárias e importantes para o Brasil precisam ser deliberadas, como o foro privilegiado, prisão em segunda instância, entre outras."

Continuar lendo