Adiamento das eleições divide o Centrão

A recente decisão de partidos do Centrão de apoiarem a proposta de emenda à Constituição (PEC) que adia as eleições de outubro para novembro não inclui todas as siglas do grupo. Apesar de PP e Republicanos agora apoiarem a medida, o PL se mantém contra.

O líder do PL na Câmara, Wellington Roberto (PB), anunciou que a legenda vai fechar questão contra a proposta. Em fala veiculada pelo canal do partido no YouTube, o deputado nega que os efeitos da pandemia sejam justificativa para o adiamento. “Só quem sabe da decisão de quando isso vai acabar é Deus”, disse. O partido tem 41 deputados e está empatado com o PSL como a segunda maior bancada da Câmara.

De acordo com ele, não é uma questão de data, mas de “como fazer” a eleição. “Vemos aí exemplos como os Estados Unidos, que irão realizar eleições nos próximos dias”.

O conteúdo deste texto foi publicado antes no Congresso em Foco Premium, serviço exclusivo de informações sobre política e economia do Congresso em Foco. Para assinar, entre em contato com comercial@congressoemfoco.com.br.

Deputados do partido ouvidos pelo Congresso em Foco afirmam que o pano de fundo da insatisfação da sigla com a PEC é o fato de não haver um compromisso claro de votar um projeto de lei do senador Jorginho Mello (PL-SC), que resgata as propagandas partidárias veiculadas em anos não eleitorais.

O projeto que traz de volta a propaganda tem críticos no Senado, um deles é o líder do PSL, Major Olímpio (SP). "Não tem o menor cabimento você trazer de volta a propaganda partidária para se votar o adiamento de eleições, num momento de pandemia. Um total absurdo. O que precisa votar neste momento é o adiamento das eleições, necessário em função da pandemia", disse por meio do Twitter.

>O que muda na eleição municipal com o novo calendário votado pela Câmara

PP e Republicanos também estavam resistentes a apoiar o adiamento das eleições, mas mudaram de posição no início desta semana após acordo para votar uma medida provisória que pode transferir R$ 5 bilhões para estados e municípios.

Deputados são mais suscetíveis às pressões de prefeitos do que os senadores. O adiamento da eleição para um período dentro deste ano pode trazer desgaste aos candidatos a reeleição, já que suas administrações ficam afetadas de forma mais prolongada aos efeitos negativos da pandemia.

Como forma de mitigar essa resistência, Maia negocia aprovar a Medida Provisória 938/2020, que faz uma compensação das perdas de receitas com os repasses dos Fundos de Participação de Estados e Municípios (FPE e FPM).

> Cadastre-se e acesse de graça, por 30 dias, o melhor conteúdo político premium do país

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!