Rede vai ao STF contra foro privilegiado para Flávio Bolsonaro

Contra a decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) de transferir para a 2ª instância o caso do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos - RJ), investigado pelo crime de prática de "rachadinha" na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), a Rede Sustentabilidade formalizou nesta sexta-feira (26), no Supremo Tribunal Federal (STF), uma Ação Direta de Inconstitucionalidade para que o caso volte para a 1ª instância.

> Em vitória de Flávio Bolsonaro, processo sobre “rachadinha” sai da 1ª instância

Segundo a Rede, a decisão do Tribunal do Rio apresentada nesta quinta-feira (25), que concedeu parcialmente o habeas corpus ao senador e designou o caso ao Órgão Especial do Tribunal de Justiça, "beneficiou o senador Flávio Bolsonaro com uma extensão indevida do foro privilegiado".

Em liminar, o partido pede ao STF que determine que o TJRJ “se abstenha de ampliar a interpretação do foro privilegiado para além do já delimitado pelo STF na AP 937 e em inúmeros julgados posteriores”.

Além disso, a legenda contesta a análise feita pelo tribunal. “É inegável que a interpretação conferida pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro destoa da dinâmica constitucional de responsabilização criminal dos agentes públicos”, argumenta a Rede.

> Queiroz pagou despesas de Flávio Bolsonaro, diz despacho de prisão. Veja a íntegra

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!