Polícia nega homofobia e diz que Karol Eller começou briga

A Polícia Civil do Rio de Janeiro descartou na noite dessa quinta-feira (19) a possibilidade de crime de homofobia em relação a agressão que a youtuber Karol Eller sofreu na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. As informações são do portal G1.

>Justiça manda Ancine retomar edital de séries com temática LGBT

De acordo com relatos ouvidos por testemunhas e pelo autor da agressão, o auxiliar administrativo Alexandre da Silva, a produtora de conteúdos para internet começou a briga por ciúmes da namorada. Segundo a delegada responsável pelo caso, Adriana Belém, as duas vão responder inquérito por denunciação caluniosa após ter  mentido em depoimento.

Karol é funcionária da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e amiga do quarto filho do presidente Jair Bolsonaro, Jair Renan. A jovem de 32 anos levou socos e pontapés até ficar desacordada.

Em nota enviada ao G1, o advogado de Karol Eller, Rodrigo Assef, reforçou o caráter das agressões sofridas pela jovem.

“O que posso dizer é que não houve agressão mútua. As imagens das lesões que a Karol Eller sofreu pelo agressor falam por si. Não nos foi franqueado acesso ao inquérito policial depois dessa notícia que nos surpreendeu”, disse.

Karol é ativa nas redes sociais e tem mais de 79 mil inscritos no Youtube.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!