Plenário presencial do STF decidirá se Lira tem prazo para avaliar impeachment

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, pediu destaque no julgamento do caso que regulamenta o prazo para o Presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL)  decidir sobre pedidos de impeachment. Na prática, o julgamento que era virtual foi suspenso e vai para plenário presencial.

Lewandowski entende que a importância do tema demanda uma análise mais aprofundada em sessão presencial e não em julgamento virtual.

O caso envolve um pedido feito por membros do Movimento Brasil Livre (MBL), liderados pelo deputado Kim Kataguiri (DEM-SP), que foram à suprema corte contra o que chamaram de "inércia" do presidente da Câmara em analisar tais pedidos. Apenas o presidente desta Casa Legislativa pode abrir processo de destituição do cargo de presidente, mas a legislação não impõe quaisquer regras e critérios para que isto ocorra.

Em seu voto, Cármen Lúcia, a relatora da ação, negou que haveria esta inércia por parte de Arhur Lira, uma vez que não haveria previsão no regimento interno da Câmara dos Deputados para que prazos determinassem a análise do presidente da Casa.

O julgamento estava previsto para terminar na próxima sexta-feira (17). Caberá agora ao presidente da Corte, Luiz Fux, escolher uma data para que o debate presencial ocorra no STF.  

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito.
Mantenha o Congresso em Foco na frente.
JUNTE-SE A NÓS

Continuar lendo