Maia promete urgência do pacote anticrime após reunião com Moraes

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, se encontrou com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, nesta terça-feira (19) para apresentar o texto final do pacote anticrime. Maia afirmou que pretende colocar em votação na próxima semana um pedido de urgência para que o pacote possa ir à Plenário o quanto antes. “Nossa intenção é poder votar a urgência na próxima semana, se tiver acordo votar o mérito”, declarou.

> Votação da prisão em segunda instância é adiada na Câmara

O projeto, que foi alterado pela Câmara, é uma junção das propostas do ministro da Justiça, Sergio Moro e do ministro Moraes. O presidente da Câmara havia pedido para que Alexandre de Moraes coordenasse um grupo de trabalho composto por juristas em 2017 para tratar do tema. Já Sergio Moro, enviou sua proposta no início do ano.

Para Alexandre de Moraes, o projeto vai priorizar o combate ao crime organizado, ao tráfico de armas e de drogas.“Vamos priorizar a inteligência e vamos atacar o que realmente hoje amedronta a população. É a grande virtude dos projetos aprovados pelo grupo de trabalho e agora encaminhados para votação na Câmara”, disse após reunião com Rodrigo Maia.

> Tenha a melhor cobertura do Congresso de graça no seu Whatsapp

“Eu fico muito satisfeito porque neste relatório final que o grupo de trabalho me apresentou agora, segundo o próprio relatório do grupo, entorno de 90% das propostas que eu presidi foram aceitas”, relatou o ministro.

Para a coordenadora do grupo, deputada Margarete Coelho (PP-PI) o objetivo das medidas é combater a criminalidade organizada e a improbidade administrativa. “Apresentamos o relatório final, fizemos um recorte, ouvimos a sociedade e trouxemos um trabalho maduro para tramitar no Plenário e ser aprovado e trazer uma resposta rápida para a sociedade”, disse.

Campanha do Congresso em Foco no Catarse
Alexandre de Moraescrime organizadoimprobidade administrativaMargarete Coelhoministro da Justiçapacote anticrimeRodrigo MaiaSérgio MoroSTFsupremo tribunal federaltráfico