Lava Jato denuncia dono de gráfica por lavagem de dinheiro em contratos relacionados à Petrobras

As operações da Lava Jato tiveram, nesta quinta-feira (20), o primeiro desdobramento de 2020. O Ministério Público Federal (MPF), no Paraná, encabeçado pelas investigações, denunciou Paulo Roberto Salvador, representante e administrador da Editora Gráfica Atitude, pelo crime de lavagem de dinheiro no valor de R$ 2,4 milhões. O ex-diretor da Área de Serviços da Petrobras, Renato de Souza Duque, e dois servidores do Grupo Setal/SOG Óleo e Gás também estariam envolvidos.

Governo reduz atribuições da Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos

De acordo com o MPF, Salvador emitia notas falsas para justificar os pagamentos por serviços não prestados. Para isso, ele contava com o auxílio do tesoureiro e operador financeiro João Vaccari Neto; do executivo do Grupo Setal/SOG Óleo e Gás, Augusto Ribeiro de Mendonça; e do ex-diretor da Área de Serviços da Petrobras, Renato de Souza Duque. O crime foi cometido entre os anos de 2010 e 2013.

A denúncia aponta que Mendonça prometeu pagamento de propina a Duque e Vaccari relativo a contratos para obras nos Terminais de Cabiúnas 2 e 3, e em três refinarias, incluindo a da Petrobras.

Lavagem de dinheiro

As investigações identificaram que pelo menos R$ 66 milhões foram repassados pelo Grupo Setal/SOG Óleo e Gás e pelas demais empresas integrantes dos consórcios que possuem contratos com a estatal petrolífera. O repasse era feito por meio de sucessivas operações de lavagem de dinheiro, a título de pagamento das propinas, com base em contratos e notas fiscais ideologicamente falsos, já que, a gráfica nunca prestou serviços reais às empresas do grupo Setal/SOG.
Desse esquema, R$ 2,4 milhões foram repassados pelo Grupo de forma criminosa, por meio da contratação da Editora Gráfica Atitude, de responsabilidade de Salvador e a pedido de Vaccari.

O MPF afirma que os próprios envolvidos, revelaram os pagamentos foram realizados em favor de Duque e do Partido dos Trabalhadores (PT),  que o mantinha na posição de diretor de Serviços da Petrobras. Além dos pagamentos terem sido realizados a pedido do então tesoureiro do PT, as investigações identificaram que a editora mantinha vinculação com o partido. Além disso, os sócios da editora são o Sindicato dos Empregados de Estabelecimentos Bancários de São Paulo/SP e o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, ambos, fornecedores de serviços a candidatos filiados ao PT nas eleições de 2006 a 2018.

O Ministério requer a condenação de Salvador, o bloqueio de R$ 2,4 milhões, que corresponde  às vantagens recebidas ilicitamente, e o ressarcimento do mesmo valor à Petrobras.

Augusto Ribeiro de Mendonça, João Vaccari Neto e Renato de Souza Duque, envolvidos no esquema, já respondem pelo crime de lavagem de ativos, descrito na denúncia perante a 13ª Vara Federal de Curitiba.

Pelos crimes antecedentes de corrupção, Augusto Ribeiro de Mendonça, João Vaccari Neto e Renato de Souza Duque, além de outros envolvidos como Pedro José Barusco, Mario Frederico Mendonça Goes e Julio Gerin de Almeida Camargo foram denunciados e condenados pelo juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba, o que foi confirmado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Membros do MPF pedem inconstitucionalidade da MP da Grilagem

Augusto Ribeiro de MendonçaDilma Rousseffinvestigados na lava jatoJoão Vaccari NetoJulio Gerin de Almeida CamargoMario Frederico Mendonça GoesOperação Lava LatoPedro José Baruscopetrobras