Filipe Martins se torna réu por gesto racista no Senado

A Justiça Federal de Brasília aceitou denúncia do Ministério Público e tornou Filipe Martins,  assessor para assuntos internacionais do governo Bolsonaro, réu por gesto racista.

De acordo com a denúncia do MP, Filipe fez um gesto, em momentos distintos, onde buscou reproduzir as letras “W” e “P”, em referência à expressão “White Power” (“Poder Branco”, em inglês), durante uma sessão do Senado no início do mês.

A denúncia foi aceita pelo juiz federal Marcus Vinicius Reis Bastos, 12ª Vara de Justiça Federal, do Distrito Federal. O assessor foi acusado de "praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional", conduta punida com pena de um a três anos de reclusão e multa.

Na denúncia, o Ministério Público aponta que "com vontade livre e consciente, praticou, induziu e incitou a discriminação e o preconceito de raça, cor e etnia, em detrimento da população negra em geral e contra outros grupos sociais não brancos, como pardos, asiáticos e indígenas, mediante a realização de gesto apropriado por movimentos extremistas com simbologia ligada à ideia de supremacia branca".

Na época, o advogado de Filipe afirmou que a "história de vida" do assessor "e suas lutas pelas liberdades públicas e pelos direitos fundamentais caminham a seu favor".

Convidado a depor na CPI da Covid nesta quinta-feira (24) por compor o gabinete paralelo de aconselhamento do presidente da República durante a pandemia, Filipe teve a oitiva adiada pelos senadores, que optaram por ouvir Jurema Werneck, representante do Movimento Alerta e diretora-executiva da Anistia Internacional, e Pedro Hallal, epidemiologista.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou ontem (23), que Filipe Martins permaneça em silêncio na CPI para não produzir provas contra si. Na semana passada, a ministra Rosa Weber decidiu por manter a quebra de sigilo telefônico e de mensagens impostas pela CPI da Covid a Filipe Martins.

> Viagem a Israel discutiu terrorismo estatal, liberdade de culto e missão espacial

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito. Mantenha o Congresso em Foco na frente.

JUNTE-SE A NÓS

Continuar lendo