Defesa teme que Rodrigo Janot mate Eduardo Cunha

Após o ex-procurador geral da República Rodrigo Janot ter confessado que pensou em matar o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, em 2017, diversas figuras públicas se manifestaram, dentre elas, o ex-presidente da Câmara dos Deputados, que afirmou, através de seus advogados, temer ser vítima  de um ataque.

A defesa de Eduardo Cunha, preso em outubro de 2016 pela Operação Lava  Jato, afirmou em comunicado enviado para a imprensa, que as declarações de Janot são esquizofrênicas. “Causam perplexidade o tom e o nível das declarações esquizofrênicas prestadas pelo ex-Procurador Geral da República. É um escândalo sem precedentes até para os padrões de Rodrigo Janot”, afirma. O  documento é assinado por Ticiano Figueiredo, Pedro Ivo Velloso, Delio Lins e Silva Jr., Rafael Guedes de Castro e Caio Antonietto e Aury Lopes Jr., advogados de defesa de Eduardo Cunha.

Para a defesa, as afirmações apontam que Janot conduziu o processo contra Cunha “com o fígado”. “As afirmações irresponsáveis revelam agora aquilo que a defesa já sabia: as ilegalidades praticadas contra Eduardo Cunha, à época que ele conduziu com o fígado o Ministério Público Federal, violavam princípios básicos como a impessoalidade. Isso demonstra, e escancara, que Cunha foi acusado e processado por um Procurador suspeito, sem qualquer chance de justiça e de oportunidade de se utilizar de todos os meios de defesa”, afirmam os advogados.

A defesa de Cunha também cita outro trecho da entrevista do ex-Procurador à Veja: de que Cunha teria mandado invadir a sua casa. “No início de 2015, minha casa foi invadida e só levaram um controle remoto do portão. Era um recado, uma ameaça. Pelo cheiro, suspeito que foi obra do Eduardo Cunha. Não há evidência. É pelo cheiro mesmo”, afirmou Rodrigo Janot na entrevista.

Os advogados de defesa rebatem afirmando que Janot faz uma acusação pitoresca e que Eduardo Cunha corre perigo.

“Agora, às vésperas de lançar um livro, [Rodrigo Janot] faz uma acusação absurda e pitoresca de que Cunha seria responsável pela invasão de sua casa, tudo isso baseado ‘no cheiro’. Preocupa-nos a segurança de Eduardo Cunha. Afinal, o que significa um preso sem chance de defesa, para quem é capaz de sacar uma arma para um Ministro, dentro do STF!”, finaliza o documento.

> Entre agora no Catarse para colaborar  com o jornalismo independente

 

Eduardo CunhaGilmar MendesMatar ministroprocurador-geral da RepúblicaRodrigo Janot