Após debochar de sentença e insinuar que juíza é petista, Alexandre Frota será investigado

O deputado federal eleito Alexandre Frota (PSL-SP) e parte de seus seguidores no Facebook serão investigados por ofensas à juíza Adriana Freinsleben de Zanetti, que condenou Frota por injúria e difamação contra Jean Wyllys. A magistrada soube dos ataques no dia seguinte à condenação e levou o material para o Ministério Público Federal (MPF), que abriu uma investigação por injúria funcional.

Após a representação, a Justiça Federal de Osasco solicitou ao Facebook os dados pessoais das contas identificadas por Adriana. Os investigados, porém, permanecem sob sigilo a pedido da Procuradoria.

De acordo com a magistrada, uma das centenas de ofensas de seguidores de Frota "leva a crer que se trata de eventual ameaça de estupro". “Sinto-me muito ofendida com as declarações irrogadas a minha pessoa”, completou.

Após o anúncio da investigação, Frota voltou a debochar do judiciário e publicou um vídeo em que aparece dançando com a legenda "Alexander Frota preocupado".

Os ataques tiveram início após Frota divulgar a sentença em seu Facebook, afirmando que a justiça de Osasco seria "um reduto do PT". Ele também compartilhou um vídeo em que aparece em casa picotando papel, o que fará diariamente como pena alternativa, e fingindo chorar.

 

> Alexandre Frota debocha de pena por difamação contra Jean Wyllys. Veja o vídeo

 

Frota foi punido por divulgar nas redes sociais a frase "A pedofilia é uma prática normal em várias espécies de animal (sic), anormal é o seu preconceito", atribuindo-a a Jean Wyllys. Frota alegou que Wyllys fez a declaração em uma entrevista à Rádio CBN, mas a emissora declarou à Justiça que tal frase nunca existiu.

Ao Congresso em Foco, o ex-ator afirmou que vai recorrer da decisão por considerar que ela não é razoável.

> Alexandre Frota é condenado a picotar papel por relacionar Jean Wyllys a pedofilia

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!