Moraes pede vista e julgamento do marco temporal de terras indígenas é suspenso

Após a retomada do julgamento do marco temporal das terras indígenas no Supremo Tribunal Federal, nesta quarta-feira (15), o ministro Alexandre de Moraes pediu vista aos autos - mais tempo para análise da tese - e a sessão foi suspensa. Ainda não há data para retomada da discussão.

Antes da suspensão, o ministro Kassio Nunes Marques votou favorável a aplicação da tese. Segundo ele, sem o marco temporal a demarcação das terras indígenas ocorreria "infinitamente".

Antes da interrupção, o ministro Kassio Nunes Marques votou favorável a aplicação da tese. Segundo ele, sem o marco temporal a demarcação das terras indígenas ocorreria "infinitamente". Indicado para o cargo pelo presidente Jair Bolsonaro, Nunes Marques votou seguindo a linha da Advocacia-Geral da União (AGU).

Até agora o julgamento segue com o placar 1x1. Na última semana, o relator do caso, ministro Edson Fachin, apresentou um parecer contrário à tese do marco temporal. O ministro já havia apresentado seu voto em junho, quando o caso ainda era apreciado em julgamento virtual.

O marco temporal propõe que indígenas só possam reivindicar demarcações das terras que estavam ocupando, comprovadamente, à época da promulgação da Constituição de 1988 e demarcações realizadas após este prazo. A demarcação de terras indígenas é um direito garantido pela Constituição, que estabelece aos indígenas o chamado "direito originário" sobre as suas terras ancestrais. Sendo assim, os indígenas são considerados por lei os donos do território, e obrigando a União a demarcar as terras ocupadas por esses povos.

Como a decisão que a corte tomará servirá de parâmetro para outros 82 casos, uma decisão em favor dos indígenas poderá gerar o fenômeno de aumento de terras destinadas aos povos originários.

> STF: Fachin vota contra o marco temporal na demarcação das terras indígenas
> STF ouve indígenas e governo sobre marco temporal de terras

 

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito.
Mantenha o Congresso em Foco na frente.
JUNTE-SE A NÓS

Continuar lendo