Alvim vai responder na Justiça, promete oposição

Mesmo exonerado, o ex-secretário da Cultura Roberto Alvim pode ter que responder na Justiça sobre o pronunciamento em que parafraseou o ministro da Propaganda da Alemanha Nazista, Joseph Goebbels. É que a oposição entende que Alvim cometeu crimes como o de racismo e, por isso, vai representar contra o ex-secretário na Procuradoria Geral da República (PGR) e na Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC).

> Bolsonaro vai demitir Alvim

"Para os deputados, ainda que seja exonerado, ele deve responder judicialmente por suas declarações", informou o Psol, que vai à PGR por entender que as declarações de Alvim configuram "a prática de apologia ao crime (art. 287 do Código Penal) e incitação ao crime (art. 287 do Código Penal), assim como também se enquadra na lei de racismo, que pune a pratica e incitação a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional, inclusive a propaganda relacionada ao nazismo (art. 20 da lei nº 7716/1989)".

"A Bancada do PSOL apresentará representação à Procuradoria Geral da República para que o Ministério Público Federal apresente as ações cabíveis para investigar os crimes cometidos pelo representado", acrescentou a legenda, destacando que o Supremo Tribunal Federal "já reconheceu que a discriminação contra os judeus, que resulta do fundamento do núcleo do pensamento do Nazismo, é inconciliável com os padrões éticos e morais definidos na Constituição do Brasil e no mundo contemporâneo".

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que é líder da Oposição no Senado, também ao Ministério Público Federal (MPF) contra o ex-secretário da Cultura. Ele vai apresentar uma notícia-crime pedindo que Alvim seja processado pelo crime de apologia ao nazismo. “As declarações são inadmissíveis e merecem todo o nosso repúdio. Ao aludir à propaganda nazista, Roberto Alvim explícita o caráter autoritário e antidemocrático deste governo. As declarações, além de estapafúrdias, são criminosas”, reclamou.

Líder da Oposição na Câmara, Alessandro Molon (PSB-RJ) tem o mesmo entendimento e também vai pedir que as medidas judiciais cabíveis sejam tomadas contra o ex-secretário de Cultura do governo de Jair Bolsonaro, só que na Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC). "O governo Bolsonaro está desavergonhadamente abraçando o nazismo e seus absurdos", criticou Molon.

>Secretário da Cultura de Bolsonaro cita ministro nazista e é repudiado

Caso Alvim

O imbróglio em torno do secretário de Cultura nomeado por Jair Bolsonaro começou na noite dessa quinta-feira (16), quando Roberto Alvim publicou um vídeo nas redes sociais para divulgar o novo prêmio do governo para a Cultura. No vídeo, contudo, Alvim fez um discurso semelhante ao ministro da Propaganda de Adolf Hitler, Joseph Goebbels, para dizer a partir de agora a arte brasileira seria heroica, nacional e imperativa. Alvim ainda adotou um tom impositivo no vídeo.

A gravação recebeu, então, uma enxurrada de críticas nas redes sociais, desencadeando uma reação em massa do mundo político. Parlamentares de todas as correntes ideológicas; o ministro do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli; a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB); e a Confederação Israelista do Brasil criticaram a associação ao nazismo feita pelo ex-secretário. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), chegou a pedir a demissão de Alvim.

A repercussão negativa fez, então, o Palácio do Planalto decidir pela exoneração de Roberto Alvim.

Veja o vídeo que deu origem ao caso:

> Alvim nega associação com o nazismo: “Coincidência retórica”

> Congresso prepara convocação de Roberto Alvim

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!