Pilar do jornalismo, sigilo da fonte é questionado por advogados de Flávio Bolsonaro

O vazamento de informações para a imprensa a partir de processos judiciais que correm em sigilo divide opiniões. De um lado, advogados responsabilizam os jornalistas pela divulgação das informações que deveriam ser preservadas pelo sistema judiciário. De outro, a própria imprensa, que se baseia no direito ao sigilo da fonte para publicar informações de interesse público.

O Congresso em Foco traz dois artigos que defendem pontos opostos dessa discussão. Em artigo inédito e exclusivo, Rodrigo Roca e Luciana Pires, advogados do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), argumentam que o sigilo da fonte é como um “território neutro” e questionam os meios pelos quais os jornalistas têm acesso aos documentos sigilosos.

"A partir daí, aquele que foi alvo da reportagem passa a ser obrigado a discutir sua causa, não mais nos autos como lhe foi prometido, mas à vista de todos e somente no espaço reservado ao direito de resposta ou através de entrevistas que até então tinha se negado a conceder. Chamam a isso transparência e, quando acrescentam a expressão “sigilo da fonte”, tem-se uma equação macabra, porém resolvida", escrevem, ao defender mudança na legislação sobre o assunto.

Veja o artigo aqui.

Já a advogada e consultora da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), Taís Gasparian, afirma que sigilo da fonte e segredo de justiça não são “jabuticabas” e que a informação não é “patrimônio particular, mas de toda a população”.

"A bem da verdade, de posse de uma informação de interesse público e relevante, o veículo de comunicação ou o jornalista tem o dever ético de divulgá-la. Assim funciona um Estado Democrático com uma imprensa livre", escreve a advogada.

Veja o artigo aqui.

Jornalista que chamou Felipe Neto de pedófilo se retrata, mas será processado

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!