Ministros mantêm no STF processos contra deputados, entre eles o que tatuou “Temer”

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu hoje (16) derrubar duas decisões individuais do ministro Marco Aurélio que remeteram para a primeira instância da Justiça ações contra deputados.

O ministro determinou que os processos contra os deputados federais Professora Dorinha Seabra (DEM-TO) e Wladmir Costa (SD-PA) fossem remetidos para o Judiciário estadual.

“Deputado do confete” tatua nome de Temer no ombro: “Parceiro é parceiro, FDP é FDP”

Janot pede condenação de deputado que tatuou Temer no ombro

Ao julgar o caso a partir de recurso de Procuradoria-Geral da República (PGR), a turma entendeu que a decisão de Marco Aurélio divergiu do entendimento do plenário, no qual, a partir da intimação para apresentação das alegações finais, os parlamentes continuam a responder ao processo no STF. O ministro ficou vencido no julgamento.

Em maio, por 7 votos a 4, o plenário do STF decidiu que os parlamentares só podem responder a um processo na Corte se as infrações penais ocorreram em razão da função e cometidas durante o mandato. Caso contrário, os processos deverão ser remetidos para a primeira instância da Justiça.

 

Um em cada três deputados é acusado de crimes. Veja a lista atualizada dos investigados

Lavagem de dinheiro e corrupção são os crimes mais comuns entre os atribuídos a parlamentares

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!