“Intimidação”: bolsonaristas reagem a bloqueio de contas no Twitter

Após o Twitter bloquear contas de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro por ordem de Alexandre de Moraes, bolsonaristas criticaram a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).

O assessor especial da Presidência da República Filipe G. Martins comentou a suspensão de contas de apoiadores do presidente no Twitter. Segundo ele, a ação tem o objetivo de intimidar o grupo e acostumar a população à ideia de que autoridades podem calar e censurar quem os incomoda. Filipe é assessor do presidente para assuntos internacionais e seu comentário foi o primeiro vindo do Palácio do Planalto sobre a ação desta sexta-feira (24).

Joice demite mais de 60 pessoas da comunicação da Câmara por ordem de Soraya

Entre as contas suspensas, estão a da militante Sara Winter, a do ex-deputado federal e presidente do PTB, Roberto Jefferson, a do empresário Luciano Hang e as dos blogueiros Allan dos Santos, do site Terça Livre, e Bernardo Kuster, do site Brasil Sem Medo.

Em nota, o Twitter esclareceu que “agiu estritamente em cumprimento a uma ordem legal proveniente de inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF)”. A determinação partiu do ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito das fake news no Supremo.

Roberto Jefferson afirmou à CNN  que vai “continuar batendo nesses senhores”. Ele disse ainda que os ministros do Supremo “formaram uma organização criminosa para a prática do crime de abuso de autoridade, e o chefe dessa Orcrim é o ministro Alexandre de Moraes”.

O secretário-executivo do Ministério das Comunicações, Fabio Wajngarten, afirmou que a derrubada de contas é sem precedentes. “A decisão de suspender as contas é contraditória porque a investigação não está concluída. País sob censura”, escreveu ele.

A deputada Carla Zambelli (PSL-SP) disse estar preocupada com a liberdade de expressão de quem tem linha ideológica de direita. “É uma tentativa de calar a direita. Até onde isso vai?”, disse ela em vídeo.

O deputado Carlos Jordy (PSL-RJ) criticou a ação de Moraes, afirmando que ele tornou-se “o dono da bola da liberdade de expressão do Brasil”.

Em resposta a uma mensagem da ex-deputada Manuela D´Ávila, o vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (Republicanos) disse que “comunistas sentem que o clima melhora quando adversários são eliminados”. Manuela, que foi candidata a vice na chapa de Fernando Haddad (PT) em 2018, havia insinuado que o clima no Twitter havia melhorado.

Por sua vez, Olavo de Carvalho, tido como o guru do bolsonarismo, cobrou atitude do presidente em resposta à ação. “O presidente e seus queridos generais farão algo para proteger a liberdade e os direitos civis diariamente pisoteados pelos imperadores da toga?”, questionou ele.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!