Corregedoria do MPF abre sindicância sobre Lava Jato em São Paulo

A Corregedoria-geral do Ministério Público Federal (MPF) abriu uma sindicância para apurar se houve irregularidades na distribuição das investigações na força-tarefa da Lava Jato em São Paulo. A corregedoria quer entender se foram respeitados os critérios para designação de chefia em cada investigação.

A procuradora regional da República, Raquel Branquinho, foi designada para coordenar a apuração. Caso conclua que houve, de fato, algum tipo de irregularidade na condução dos processos internos, Raquel pode pedir instauração de inquérito. O prazo para conclusão da sindicância é de 30 dias.

A corregedoria tem ainda outra sindicância relacionada à Lava Jato. Mas à pedido da própria força-tarefa após uma diligência no QG da operação no Paraná por parte da subprocuradora Lindora Araújo, que segundo os membros da Operação, tinha o objetivo acessar arquivos da equipe. A atitude foi vista como um risco para as investigações.

A PGR tem levantado suspeitas sobre essas condutas e os ânimos entre a procuradoria-geral e a força-tarefa andam acirrados.

Nesta segunda-feira (3), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, revogou a decisão do presidente da corte, Dias Toffoli, que autorizou a Procuradoria Geral da República (PGR) a acessar os dados da operação Lava Jato. A PGR disse que vai recorrer.

> Fachin revoga decisão que dava a Aras acesso aos dados da Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!