Caminhoneiros: acordo coletivo será mediado pelo governo

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, confirmou na noite desta quarta-feira (24) que um acordo com os caminhoneiros deve ser fechado na próxima semana. A proposta envolve a realização de "acordos coletivos" entre a categoria,  transportadoras e embarcadores (produtor dono das mercadorias que precisam ser transportadas). As reuniões da próxima semana estão marcadas para ocorrer de segunda (5) a quarta-feira (7).

>Nova tabela de frete desagrada caminhoneiros

O objetivo é resolver uma das principais reivindicações dos caminhoneiros, um ajuste no piso mínimo de frete de transporte rodoviário de cargas para prever a possibilidade de lucro para os caminhoneiros autônomos.

O anúncio foi feito após uma série de reuniões realizada pelo ministro em Brasília, depois polêmica causada pela tabela de fretes que entrou em vigor no último sábado e acabou suspensa na segunda-feira (22). O encontro com os líderes dos caminhoneiros durou mais de quatro horas.

"Se formalizou ainda a confederação representando os autônomos e as outras confederações, todas elas estão se juntando e fazendo uma espécie de convenção coletiva para que isso tenha um embasamento e que seja também constitucional", afirmou o Norival de Almeida, presidente da  Federação dos Caminhoneiros Autônomos de São Paulo (Fetrabens).

Pela manhã, o ministro ouviu 43 empresas e associações de transportadores, em outra longa reunião, com cerca de três horas. O vice-presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT), Flávio Benatti, também disse estar otimista com a possibilidade de um acordo. “Saímos muito otimistas com relação à pretensão do ministério de buscar o consenso”, mencionou.

Histórico

Esta é a segunda vez que o governo Bolsonaro enfrenta problemas com os caminhoneiros por causa da tabela de preços mínimo. Em abril, o presidente Jair Bolsonaro fez uma intervenção na Petrobras para impedir o reajuste do preço do diesel, que contrariava os interesses dos caminhoneiros. A intervenção foi duramente criticada e levou a uma séria de reuniões ministeriais e com a categoria para entender as demandas dos caminhoneiros autônomos.

*Com informações da Agência Brasil.

>Representante de caminhoneiros diz que “é perigoso situação sair do controle”, após novo aumento do diesel

> Governo anuncia R$ 2 bilhões em obras e crédito de R$ 500 milhões para caminhoneiros

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!