Witzel é suspeito de plágio em dissertação de mestrado, revela BBC

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), copiou ao menos 63 parágrafos de trabalhos publicados por seis autores, incluindo um artigo inteiro e um capítulo de outro texto. A informação é da BBC News Brasil. Witzel apresentou em 2010, na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), o trabalho "Medida Cautelar Fiscal", em que trata do instrumento criado em 1992 para auxiliar a cobrança de dívida fiscal por vias judiciais.

> O ranking dos governadores, segundo líderes do Congresso

Ex-juiz, Witzel argumenta que a medida cautelar fiscal evita "grandes fraudes e artifícios maliciosos de contribuintes que agem de má-fé e em desacordo com as leis tributárias". Segundo a reportagem, ao menos 19 das 118 páginas do miolo do trabalho têm trechos copiados de outros autores (16% desse total).

Dos seis autores com passagens semelhantes encontradas, cinco não constam da bibliografia da dissertação. De acordo com a BBC Brasil, o autor exceção aparece, no entanto, citado por um outro trabalho.

Um desses autores, o advogado Juliano Ryzewski vê um possível problema ético no caso. "Por ser uma pessoa pública, deveria tomar maior cuidado com isso. Ele está autointitulando autor de um texto que ele não escreveu, mas copiou. É complicado", afirmou à reportagem.

Em nota, a assessoria de Wilson Witzel respondeu que "os trechos citados exemplificam a dissertação de mestrado apresentada pelo governador Wilson Witzel em 2010, que foi aprovada pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes)". "Como toda obra acadêmica, a tese de Witzel se utiliza de citações de diferentes autores e fontes que compõem a abordagem teórica sobre o tema", prossegue o texto. A resposta, porém, não esclarece a falta dos créditos.

Conforme a BBC, dois professores universitários analisaram as semelhanças identificadas e afirmaram que os trechos configuram plágio. Esse não é o primeiro questionamento à formação acadêmica de Witzel.

Em maio, o jornal O Globo revelou que o governador colocou em seu currículo um doutorado em andamento em Ciência Política na Universidade Federal Fluminense (UFF) com intercâmbio na Universidade Harvard, nos Estados Unidos. Mas ele não cursou a instituição americana nem se candidatou ao processo de seleção para uma vaga lá.

Witzel alegou que não havia erro seu currículo, porque havia previsto a possibilidade de "aprofundar os estudos em Harvard", mas a ideia acabou suspensa em razão da campanha eleitoral em 2018. Depois, ele retirou do documento a menção a Harvard.

O governador passou pelo exame de qualificação do doutorado na UFF em agosto, quando foi alvo de protestos contra sua política de segurança pública. Em seu governo, embora as estatísticas indiquem que diminuiu em 23% o número de homicídios, cresceu em 15% o de mortes provocadas por policiais. Witzel é conhecido pelo discurso de tolerância zero contra a criminalidade.

Ele defendeu a tese “A Dimensão Política da Jurisdição Após 1988: a Fundamentação das Decisões Judiciais Como um dos Critérios de Identificação e Controle do Ativismo Judicial” por meio de videoconferência. O governador tem até 90 dias para entregar a versão final do trabalho, que deve incorporar observações feitas pela banca examinadora, informa a BBC News Brasil.

> Policiamento letal na distopia brasileira

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!