Weintraub irrita Centrão por atrasar indicações, mas grupo acha difícil ministro sair

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, tem agido nas últimas semanas para travar as indicações dos partidos do Centrão para o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

As principais informações deste texto foram enviadas antes para os assinantes dos serviços premium do Congresso em Foco. Cadastre-se e faça um test drive.

Um membro do PP relatou ao Congresso em Foco que foi prometido várias vezes um prazo de resposta sobre o cargo, mas que o governo vem adiando. A ação de Weintraub tem ampliado a contrariedade dos deputados com ele e o desejo deles de que o presidente Jair Bolsonaro o demita.

No entanto, outro membro do grupo suprapartidário que reúne centro e direita ouvido pelo site vê com ceticismo a chance de Bolsonaro retirar Weintraub do cargo. Ele afirmou não haver novidade na insatisfação com o ministro, que considera rotineira.

“Para derrubar ele já tem mais da metade, quase o Congresso todo, que quer que ele saia desde quando entrou. Quando a turma bota ‘tem que cair’, ‘tem que cair’, é pior, aí é que ele segura. A turma bota pressão para ele demitir, aí é que ele segura o cara”.

>“Se eu falar mal, não cai de jeito nenhum”, diz Maia sobre Weintraub

Nelson Teich pede demissão do Ministério da Saúde

Pelo acordado inicialmente entre as siglas e o governo, cabe ao PP indicar o comando do órgão. O Republicanos, MDB, DEM e PL devem escolher as diretorias vinculadas. O FNDE tem orçamento maior que muitos ministérios, em 2020 são previstos R$ 29,4 bilhões.

Para outros cargos também há o problema do governo atender ao mesmo tempo militares e os indicados dos partidos. 

De agosto a dezembro de 2019 quem comandava o FNDE era o advogado Rodrigo Dias, indicado pelo ex-ministro das Cidades Alexandre Baldy (PP-GO), hoje secretário do governador João Doria (PSDB) em São Paulo, e pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). No entanto, Dias foi retirado do cargo por Weintraub, em mais um dos embates entre Bolsonaro e Maia.

>Centrão minimiza vídeo, mas admite dificuldades se STF avançar em inquérito

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!