Um dia depois da Câmara, Senado aprova intervenção federal em Roraima. Texto vai à promulgação

O Plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (12) o projeto que ratifica o decreto presidencial que determinou intervenção federal no governo do estado de Roraima. A decisão segue para promulgação.

É a primeira vez que um estado sofre intervenção federal total desde a promulgação da Constituição Federal de 1988. Ainda em andamento, a intervenção federal no estado do Rio de Janeiro atinge apenas a área da segurança pública daquele estado.

Assinado pelo presidente Michel Temer em 8 de dezembro e publicado no Diário Oficial da União na segunda (10), o Decreto 9.602 ordena intervenção federal em Roraima, até 31 de dezembro de 2018, “com o objetivo de pôr termo a grave comprometimento da ordem pública”.

Câmara aprova intervenção federal em Roraima; veja como cada deputado votou

A intervenção abrange todo o Poder Executivo do estado e o interventor já em atuação é o governador eleito nas eleições de outubro, Antonio Oliverio Garcia de Almeida, conhecido como Antonio Denarium (PSL), que terá as mesmas atribuições de um governador e estará subordinado diretamente ao presidente da República.

Na Secretaria da Fazenda, ficará o general Eduardo Pazuello, que atualmente coordena a operação de migração venezuelana. Na Secretaria da Segurança Pública, ficará Paulo Costa, que já atua como interventor no sistema prisional de Roraima após um acordo entre o estado e a União, feito em novembro, para que a administração dos presídios estaduais ficasse sob gestão federal até 31 de dezembro.

O decreto presidencial determina ainda que o interventor poderá requisitar a quaisquer órgãos da administração pública federal, civis ou militares, “os meios necessários para consecução do objetivo da intervenção”, desde que não atinja competências do presidente da República.

Debate

A intervenção foi aprovada em votação simbólica (PDS 166/2018), mas vários senadores declararam voto contrário, como Roberto Requião (MDB-PR), Regina Sousa (PT-PI), Cristovam Buarque (PPS-DF), Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e outros.

Favorável à intervenção, o senador Romero Jucá (MDB-RR) relatou o projeto de resolução no Plenário e disse que a medida é “extremamente excepcional”, porém necessária. Segundo afirmou, Roraima está “entregue à completa anarquia”, com salários atrasados há três meses e sem realizar os repasses obrigatórios para os municípios.

 

Humberto Costa foi um dos senadores que votaram contra a intervenção e discursaram contra a medida em plenário -Foto: Marcos Oliveira / Agência Senado

 

Além disso, acrescentou Jucá, o estado enfrenta uma série de greves e paralisações, inclusive de policiais civis e militares e agentes penitenciários, falta de medicamentos, ambulâncias paradas sem gasolina, falta de viaturas policiais nas ruas e delegacias fechadas. Para Jucá, o estado está um “completo caos”. Ele também afirmou que há várias suspeitas e denúncias de corrupção contra a agora ex-governadora Suely Campos (PP).

Jucá também informou que R$ 225 milhões serão repassados imediatamente pelo governo federal ao estado de Roraima para garantir o funcionamento da máquina pública, pagamento de salários e continuidade dos serviços públicos, principalmente saúde, educação e segurança pública.

— O caso é muito grave. Eu tenho denunciado as irregularidades. O que vimos em Roraima foi desvio de recursos públicos, corrupção, roubalheira em todos os aspectos. Para onde se olha, tem maracutaia, e nós cobramos a investigação célere para punir os culpados e ressarcir os cofres públicos — disse Jucá.

Calamidade pública

Os senadores Eduardo Braga (MDB-AM) e Telmário Mota (PTB-RR) apoiaram a intervenção federal. Braga afirmou que a intervenção é um ato extremo no qual a União reconhece o desgoverno e a falta absoluta do poder público em Roraima. Ele disse que o estado passa por um “verdadeiro caos” e está em calamidade pública.

Telmário afirmou que a crise em Roraima começou há 11 anos, quando o estado foi governado pelo PSDB e MDB. Segundo o senador, nessa época o estado quebrou financeiramente. A situação foi agravada com o início da migração de venezuelanos nos últimos anos e pela falta de assistência do governo Temer, acrescentou.

— Sou a favor desta intervenção. Que vá recurso não só para pagar os servidores, mas para equacionar a situação da educação e da saúde. Nós estamos há três meses sem fazer uma cirurgia ortopédica, os carros do transporte escolar estão todos paralisados, o sistema penitenciário está dominado pelas facções. Por conta de tudo isso, Roraima hoje grita por essa assistência e por esse socorro. Naturalmente, essa intervenção é política. Poderia ter colocado um outro interventor. Mas coloram o seu Denarium para tentar impedir a eleição do Jalser Renier para a Assembleia Legislativa. Até na intervenção, ainda os mortos da política do MDB estão respirando e fazendo mal para o estado de Roraima — concluiu Telmário.

Por sua vez, a senadora Ângela Portela (PDT-RR) afirmou que a medida era “lamentável, dura e dramática”, mas necessária. Ela também colocou na conta do governo Temer grande responsabilidade sobre a piora da situação de Roraima.

“Prática corriqueira”

Já os senadores Humberto Costa (PT-PE) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) discursaram contra a intervenção federal, embora reconhecendo a situação grave do estado. Eles temem que o instituto da intervenção federal vire uma prática corriqueira.

Humberto Costa disse que a medida reduziu o mandato da governadora eleita em 2014 e antecipou o mandato do governador eleito em 2018. Para Vanessa Grazziotin, trata-se de uma “intervenção política”. Ela afirmou que o governo federal poderia ajudar Roraima sem intervenção.

 

Temer decreta intervenção federal em Roraima após atrasos de salários

Antônio DenariumCristovam BuarqueEduardo BragaEduardo PazuelloHumberto Costaintervençãointervenção federaljalser renierRandolfe RodriguesRegina Sousaroberto requiãoRomero JucáRoraimaSenadoSuely CamposTelmário Motavanessa grazziotin