Servidores da Cultura esperam ter diálogo com Regina Duarte

Os servidores da Secretaria da Cultura esperam que a atriz Regina Duarte, ao assumir o comando da pasta nesta semana, restabeleça um canal de diálogo entre o governo, os servidores e o próprio setor cultural. Eles explicam que, na gestão de Roberto Alvim, a secretaria interrompeu projetos importantes para a cultura e cessou o diálogo com os servidores, que, por isso, ficaram estarrecidos com as declarações nazistas do ex-secretário.

> Regina Duarte aceita fazer teste na Secretaria de Cultura

"Envolvimento com as políticas culturais de estado, reativando a efetividade do CNPC [Conselho Nacional de Política Cultural], do SNC [Sistema Nacional de Cultura] e do PNC [Plano Nacional de Cultura]. E diálogo franco e transparente com os servidores e a sociedade." Foi assim que o presidente da Associação dos Servidores do Ministério da Cultura (AsMinc), Sergio Pinto, definiu o pedido da categoria para Regina Duarte, que aceitou fazer um teste no comando da Secretaria de Cultura do governo de Jair Bolsonaro nesta segunda-feira (20).

Pinto contou que os servidores estão estarrecidos, confusos e decepcionados com os últimos acontecimentos da Secretaria de Cultura. Mas ressalta que a citação nazista que derrubou o ex-secretário Roberto Alvim na última sexta-feira (17) não é um fato totalmente isolado. Para ele, é resultado do processo de desconstrução das políticas culturais e do autoritarismo do atual governo.

Ele admite que o desmonte das políticas culturais não começou agora, vem desde o governo de Michel Temer. Mas diz que esse processo se aprofundou no governo de Jair Bolsonaro, que reduziu o Ministério da Cultura a uma secretaria do Ministério da Cidadania e posteriormente do Ministério do Turismo. E se aprofundou sobretudo na gestão Alvim, segundo outros servidores da pasta.

> Por Regina Duarte, Bolsonaro avalia recriar Ministério da Cultura

Servidores que preferiram não se identificar contaram que, no começo do atual governo, foi possível manter os programas que já estavam em andamento em quase todas as áreas da pasta. A exceção foi o setor do audiovisual, que se viu envolvido em polêmicas desde o início do ano passado, por conta da suspensão de editais da Ancine. De outubro para cá, contudo, outras mudanças foram sendo sentidas nos demais setores da Secretaria de Cultura.

E os servidores nem tiveram a oportunidade de questionar certas coisas. O próprio presidente da AsMinc admite que só conversou com o secretário auxiliar da pasta uma única vez. "Não houve conversa com o servidor e também não abrem conversa com as entidades representativas", lamentou Pinto, dizendo que a sensação é de que o governo vê a Cultura e os próprios servidores como inimigos.

O que o presidente da AsMinc e os demais servidores esperam, portanto, é que Regina Duarte chegue à pasta disposta a mudar essa realidade. "Ela é da área, já é uma vantagem. Mas se vier com um perfil autoritário não vai mudar. Enquanto não respeitarem o setor cultural como um espaço de construção de políticas públicas importantes, não adianta mudar o nome [do secretário]. Enquanto a Cultura não for tratada com o peso que tem e enquanto não abrirem uma janela de diálogo com o servidor, as coisas não tendem a mudar muito. Talvez ocorram alguns ajustes, mas nada muito radical", argumentou o servidor, que, no entanto, tem otimismo. "A expectativa é que as coisas mudem, que reconheçam a importância da Cultura, dialoguem com os servidores e com a sociedade, e retomem políticas como o Plano Nacional de Cultural", torce.

Veja a íntegra da nota emitida pelo presidente da Associação dos Servidores do Ministério da Cultura (AsMinc) na última sexta-feira, após a Secretaria de Cultura divulgar o vídeo em que o ex-secretário Roberto Alvim parafraseava o ministro da propaganda nazista Joseph Goebbels:

"'Os homens tropeçam por vezes na verdade, mas a maior parte torna a levantar-se e continua depressa o seu caminho, como se nada tivesse acontecido.' Winston Churchill

A cultura é parte indissociável do ser humano. É nela que se faz reconhecer os indivíduos na essência de suas particularidades, levando ao reconhecimento de todos como membros de uma sociedade. E é com esse reconhecimento que existe a possibilidade do diálogo, e o real crescimento social e econômico, voltado para a construção de um mundo melhor,
Esse governo trata o setor cultural (como outros tbm), suas políticas e os servidores como inimigos, pois não consegue vislumbrar uma possibilidade de diálogo. E a construção dessa narrativa, demonstrada nesse discurso, serve somente para afastar do real debate público.
Muito da política atual é construída no desinteresse ao diálogo, e por isso tentam diminuir a importância do papel da cultura.
Entendo que o Ministério não deveria nunca ter sido extinto, nem mesmo ter se cogitado tal situação. É com um setor cultural forte e ativo que se constrói um país verdadeiramente desenvolvido, reconhecendo toda a diversidade e qualidade de nosso povo.

SERGIO DE ANDRADE PINTO
Presidente da AsMinC"

>Bolsonaro: Alvim tornou insustentável sua permanência no governo

> Veja a reação política às declarações de Roberto Alvim

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!