Secom distorce tradução para atacar The Economist

A Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom) usou seu perfil no Twitter noite de domingo (6) para fazer inúmeras críticas à recente edição da revista inglesa The Economist, intitulada "A década sombria do Brasil". 

Em caderno especial com dez páginas, publicado em 3 de junho, a revista destacou o colapso do Brasil no enfrentamento à Covid-19, e estampou, em sua capa regional – voltada à América Latina –, a imagem do cristo redentor respirando com o auxílio de um tubo de oxigênio. 

“A revista The Economist enterra a ética jornalista e extrapola todos os limites do debate público, ecoando no artigo ‘É hora de ir embora’ algumas das narrativas mais falaciosas, histriônicas e exageradas da oposição ao governo federal”, escreveu a Secom, no Twitter.

Na publicação mencionada pela Secretaria, a The Economist cita o presidente Jair Bolsonaro como um líder cujo objetivo é “destruir as instituições, e não reformá-las”. O texto também diz que será "difícil" mudar o curso do Brasil enquanto Bolsonaro ocupar a presidência. "The most urgent priority is to vote him out", diz trecho da revista.

Porém, ao criticar a revista, a Secom distorce o texto e se baseia na tradução literal do trecho segundo a qual "A prioridade mais urgente é eliminá-lo", quando a publicação original afirma ser preciso retirar Bolsonaro do poder por meio do voto.

Nas postagens, a Secom encampa a versão traduzida da publicação divulgada pelo O Estado de S. Paulo. "Vejam bem: não falam apenas em vencer nas urnas, superar, destituir. Falam em ELIMINAR. Estaria o artigo fazendo uma assustadora apologia ao homicídio do Presidente?", questionou a secretaria de comunicação.

A secretaria acusa a revista internacional de tentar "interferir" em "questões domésticas" do Brasil.

"Parece que o desespero da Economist e do jornalismo militante, antidemocrático e irresponsável é para que o Presidente da República seja ELIMINADO o quanto antes, antes que ele e seu Governo concluam o excelente trabalho que fazem para o bem do Brasil", escreveu.

A Secom também criticou afirmações da revista de que uma reeleição do presidente Bolsonaro poderia "devastar a Amazônia", chamando-as de "absurdos próprios do panfletarismo juvenil".

"Em verdade, a previsão que a Economist faz sobre a Amazônia revela sua mal-disfarçada torcida contra o Brasil. Torcida esta que fica constrangedoramente escancarada no fim do artigo: '[...] com a vacinação e a recuperação da economia, o presidente pode recuperar terreno'", alegou a Secom.

O caderno da revista ainda abordou tópicos como economia, corrupção, Amazônia e as perspectivas para o Brasil. O texto escrito destaca que o Brasil enfrenta "sua maior crise desde o retorno à democracia em 1985", e ao fim do caderno, há uma foto associando Bolsonaro a Hitler, acompanhada do artigo citado pela Secom e intitulado "Hora de ir embora".

Em 2016, durante o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT),  a revista também criticou o governo da petista, ao dizer que ela "decepcionou" o país, diante da recessão e do desemprego, cuja taxa era de 10% na época.

Capa da última edição da revista internacional The Economist
Reprodução/The Economist
 

Veja os 23 tweets da Secom publicados neste domingo:

Continuar lendo