Cinco conselheiros da Petrobras renunciam após troca na presidência

Com a saída de Roberto Castello Branco da presidência da Petrobras, chegam a cinco os conselheiros da estatal indicados pelo governo que renunciaram aos seus cargos. São eles: Omar Carneiro da Cunha, João Cox, Nivio Zivian e Paulo Cesar de Souza. Na noite desta quarta-feira (3), foi a vez de Leonardo Antonelli abdicar do cargo.

A recondução de todos havia sido proposta pelo governo em ofício do Ministério de Minas e Energia do último dia 19.

Em comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Omar Carneiro atribuiu sua decisão de renunciar ao cargo à substituição de Castello Branco pelo general Joaquim Silva e Luna, mudança criticada por ele.

“Em virtude dos recentes acontecimentos relacionados às alterações na alta administração da Petrobras, e os posicionamentos externados pelo representante maior do acionista controlador, não me sinto na posição de aceitar a recondução de meu nome como conselheiro. A mudança proposta pelo acionista majoritário, embora amparada nos preceitos societários, não se coaduna com as melhores práticas de gestão, nas quais procuro guiar minha trajetória empresarial.”

João Cox Neto e Nivio Ziviani alegaram que não continuarão por razões pessoais. Paulo Cesar de Souza e Silva pediu para não ser reconduzido porque “seu mandato será, em breve, interrompido”.

“Eventuais substitutos indicados pelo acionista controlador serão submetidos ao processo de análise de gestão e integridade da companhia e objeto de análise pelo comitê de pessoas”, diz a estatal. Apenas dois militares indicados pelo Executivo seguem como conselheiros.

>Dólar sobe para R$ 5,7 após aumento de imposto de bancos

>Câmara cancela votação de socorro ao setor de eventos

Continuar lendo