Planalto vai reorganizar metas no Congresso após convenções eleitorais

O líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO), afirmou que o governo federal não vai ajustar nesta semana as metas de aprovação das matérias que tramitam no Legislativo.

“Não dá para saber, o foco agora é convenção partidária. Com os 81 senadores e os 513 deputados, com exceção dos de Brasília que, mesmo assim ainda se envolvem com as eleições do Entorno [entre Brasília e Goiás], a gente não tem como definir a prioridade até segunda-feira. Segunda-feira vão todos para Brasília para a gente fazer a aprovação das autoridades, até lá é só especulação”, disse o senador ao Congresso em Foco, referindo-se à sessão presencial do Senado em que serão sabatinados indicados a embaixadas.

As principais informações deste texto foram enviadas antes para os assinantes dos serviços premium do Congresso em Foco. Cadastre-se e faça um test drive.

De acordo com ele, mesmo após a decisão do presidente Jair Bolsonaro de cancelar o Renda Brasil, uma das principais propostas da equipe econômica do governo, a definição sobre o que deve ser o foco vai começar a ser feita somente após o fim das convenções partidárias.

“É normal o presidente definir as políticas públicas do Estado, não tem especulação em torno de disso. Decisão é decisão, temos que respeitar”, declarou o senador.

Os partidos têm até esta quarta-feira (16) para definir os candidatos nas eleições municipais. Muitos senadores e deputados se envolvem nas disputas locais e, por isso, nesta semana  as sessões no Senado e na Câmara devem ser reduzidas e concentradas na quinta-feria (17).

> Governo enfrenta dificuldade com desoneração da folha e Renda Brasil

> As últimas notícias da pandemia de covid-19

 

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!