Operação da PF apura fraude em oferta de vacinas ao Ministério da Saúde

A Polícia Federal cumpre sete mandados de busca e apreensão na manhã desta quinta-feira (25) contra um grupo acusado pelo Ministério da Saúde de oferecer, de forma fraudulenta, 200 milhões de doses de vacinas contra a covid-19. Segundo a acusação, o grupo se apresentou como parte de um "grande consórcio farmacêutico". As informações do portal G1.

O nome do suposto consórcio não foi divulgado. Segundo a investigação da PF, dois suspeitos que apresentaram credenciais falsificadas e afirmaram ter exclusividade para a comercialização das doses do imunizante. Essa mesma oferta chegou a ser feita a outros gestores públicos, cujos nomes não foram revelados.

A operação batizada de Taipan cumpre hoje mandados de busca e apreensão por ordem da justiça do Distrito Federal, nas cidades de Paracatu, interior de Minas Gerais, e Vila Velha, no Espirito Santo. São apurados crimes de falsificação de documentos e de produtos medicinais, estelionato e contra entidade pública.

>Oposição trava reforma administrativa na CCJ da Câmara

>Guedes vai defender vacinação em massa em reunião com senadores

Continuar lendo