Ninguém falou de trabalho, diz Toffoli sobre visita de Bolsonaro e Kassio Nunes

Após a divulgação de imagens da confraternização que reuniu Jair Bolsonaro, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), o desembargador e indicado ao Supremo Tribunal Federal (STF) Kassio Nunes e outros convidados em sua casa, o ministro Dias Toffoli disse ao O Globo que "ninguém falou de trabalho".

> Após críticas, Bolsonaro defende Kassio Nunes sobre caso Battisti

"Eu sou um cara que gosta de unir as pessoas, que todo mundo se divirta. Confraternizar. Foi uma confraternização, ninguém falou de trabalho. Não estávamos aqui para discutir assunto sério", disse.

Toffoli disse ainda que o encontro de ontem não foi previamente planejado. Ainda assim, diz o jornal, um chef foi contratado com antecedência. "O Davi estava aqui [em casa] e chamei o presidente para ver o jogo com a gente. As pessoas foram chegando de última hora", justificou.

Indicação

Na semana passada, Toffoli negou que ele e Gilmar Mendes participaram do processo de escolha de Kassio Nunes para substituir o decano Celso de Mello. O ministro também disse desconhecer qualquer mal estar causado em outros ministros. A Folha de S. Paulo divulgou que o nome do desembargador piauiense não foi bem recebido pelo presidente da corte, Luiz Fux.

Na última terça-feira (29) Toffoli esteve em um jantar na casa de Gilmar onde também estavam Kassio Nunes e Bolsonaro. "Não participei do processo de escolha. Quando fui informado, ele já tinha sido escolhido. Foi uma surpresa para mim e para o Gilmar", disse Toffoli ao O Globo neste domingo (4).

Mais cedo, Bolsonaro usou as redes sociais para rebater críticas de apoiadores por conta da escolha de Kassio Nunes. Pelo Twitter, o presidente afirmou ser mentira que o postulante ao Supremo tenha concordado com a permanência de Cesare Battisti no país.

Desde que anunciou o substituto de Celso de Mello, Bolsonaro vem recebendo duras críticas da ala ideológica do governo. Na sexta-feira (2) a #BolsonaroPetista ficou nos assuntos mais comentados do Twitter durante parte da tarde.

Apesar da revolta de bolsonaristas, a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) e o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, manifestaram apoio à indicação de Kassio Nunes ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Para tomar posse, Kassio Marques precisa ser submetido a sabatina na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado e ser aprovado em votações na CCJ e no plenário da Casa.

> Contra Kassio Nunes, bolsonaristas fazem campanha por conservador no STF

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!