Ministro da Saúde nega maquiagem em divulgação de dados de covid-19

O novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta quarta-feira (24) que a sua gestão e o governo têm compromisso com a transparência. Porém, desconversou sobre uma alteração feita nos critérios de notificação da covid-19 que causa a diminuição artificial do número de casos: "Eu não sou maquiador, sou médico", disse o ministro.

"Nós vamos colocar os dados de maneira clara, não apenas em relação a óbitos como em relação à disponibilidade de leitos", disse. No final da tarde, no entanto, a pasta desistiu de adotar o novo método de notificação, segundo informou o site G1.

Queiroga disse que o ministério e o governo federal assumem, como primeiro compromisso da sua gestão, vacinar até 1 milhão de pessoas por dia. Em sua primeira coletiva após assumir o cago, o cardiologista disse que a meta, mais de três vezes maior que o aplicado diariamente no Brasil, teria sido um pedido do presidente Jair Bolsonaro.

"É uma meta que eu digo para vocês que é plausível", disse Queiroga. O ministro também confirmou que vai visitar hospitais para mostrar a presença do ministério e a solidariedade com pessoas e profissionais de saúde. Até hoje, o presidente Bolsonaro não visitou vítimas da covid-19 em hospitais.

Queiroga indicou o nome de dois membros da sua equipe: Rodrigo Castro será o secretário-executivo da pasta, e Sergio Okane assumirá a Secretaria de Atenção Especializada à Saúde. O ministro – o quarto em menos de um ano – também disse que pretende criar uma secretaria especializada na pandemia.

O novo ministro, no entanto, evitou fazer críticas a medicamentos ineficazes no tratamento da covid-19, como a cloroquina, divulgados como um suposto "tratamento precoce" pelo presidente. Queiroga também evitou apoiar medidas de restrição de circulação. "Até porque a população não adere ao lockdown", disse.

Queiroga pediu um "voto de confiança" à imprensa para a sua gestão. O ministro das Comunicações, Fábio Faria, disse que os veículos de comunicação deveriam, em vez de formar um consórcio que analise apenas as mortes diárias causadas pela covid-19, também tratem do ritmo de vacinação.

"É importante que a gente acompanhe também o ritmo de vacinação – que o foco não fique apenas no número de mortos e no governo federal", disse o ministro Faria . Tal medição já é feita pelos veículos de comunicação. O Ministério da Saúde, no entanto, não divulga tais dados.


> Deputados do PSB denunciam Bolsonaro por prevaricação e homicídio por omissão
> Ernesto é pressionado em reunião entre Bolsonaro e cúpula do Congresso

Continuar lendo