Demitido, Marcelo Álvaro Antônio ignora Ramos e agrade ao “irmão” Bolsonaro

Em sua primeira fala pública após sua demissão do Ministério do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio agradeceu ao presidente Jair Bolsonaro "pela oportunidade de integrar o melhor governo da história do Brasil".

Em uma série de mensagens no Twitter, o ex-ministro buscou ressaltar pontos que considera positivos em sua gestão que durou 23 meses, como a isenção de vistos para quatro países (que não gerou a isenção de vistos a brasileiros visitando estas nações), e a instalação do escritório da Organização Mundial do Turismo no Brasil.

Álvaro Antônio, que é deputado licenciado, evitou tocar no tema da sua demissão turbulenta, envolvendo atritos com o general Ramos. "reafirmo meu compromisso de seguir trabalhando com ética, respeito e lealdade ao presidente Jair Bolsonaro e ao meu amado Brasil", escreveu.

Hoje, o presidente Jair Bolsonaro oficializou a troca no Ministério do Turismo, alçando o até então presidente da Embratur, Gilson Machado, ao cargo. A nomeação foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira.

Gilson substitui Marcelo Álvaro Antônio após um desgaste com o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, ter vindo a público – e ter feito a corda romper para o lado do parlamentar mineiro. Em uma mensagem em um grupo de whatsapp, Marcelo teria chamado o general de "traíra" e que este teria "pedido sua cabeça". Apesar da demissão turbulenta, o Diário Oficial aponta que a saída foi "a pedido" do ministro.


> Comissão da reforma tributária será prorrogada até 31 de março
> Revista Veja e Diogo Mainardi são condenados por publicarem informações falsas

Continuar lendo