Manifestantes vão às ruas contra Bolsonaro e Eduardo e por investigações do caso Marielle

Movimentos sociais, partidos e sindicatos vão às ruas nesta terça-feira (5) para protestar contra a defesa do Ato Institucional 5 (AI-5) feita pelo deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e cobrar esclarecimentos do assassinato da ex-vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. Os manifestantes pedem a cassação do mandato de Eduardo, que defendeu a adoção do mais radical instrumento utilizado pela ditadura militar se a “esquerda radicalizar”. Os atos estão previstos para Brasília e mais de dez estados. Na capital federal, a manifestação está prevista para começar às 17h na Rodoviária do Plano Piloto. De lá, os participantes devem seguir para a Praça dos Três Poderes.

Na manhã dessa segunda-feira (4) o tópico, #ImpeachmantBolsonaroUrgente chegou a ser o assunto mais comentado do Twitter no Brasil. Bolsonaro foi citado em depoimento por um porteiro como o morador que autorizou a entrada de Elcio Queiroz, um dos suspeitos do crime, no condomínio onde Bolsonaro morava e o ex-policial Ronnie Lessa, também acusado de participar do duplo homicídio. Bolsonaro, no entanto, estava em Brasília naquele dia. No sábado Bolsonaro disse que pegou as gravações da portaria “antes que fossem adulteradas”.

Encabeçam as manifestações desta terça a União Nacional dos Estudantes (UNE), a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), a Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG), o Levante da Juventude, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e o Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), entre outras entidades.

Já estão confirmados atos em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Porto Alegre, Natal, Belo Horizonte, Goiânia, Fortaleza e Belém. Na capital paulista, o protesto ocorrerá a partir das 18h, em frente ao Masp, na Avenida Paulista. “Que os ventos da América Latina cheguem ao Brasil. O 5 de novembro é dia de protestos em todo o país. Todos às ruas contra as declarações absurdas dos filhotes da ditadura. Ditadura nunca mais! Quem mandou matar Marielle?”, disse o coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST) João Pedro Stédile, pelas redes sociais.

> 5 de novembro contra o AI-5: Ato é convocado em todo o país

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!