Lula pede que Bolsonaro “feche a boca” e assuma responsabilidades

O ex-presidente Lula fez duras críticas na noite desta quinta-feira (1º) à conduta da pandemia pelo presidente Jair Bolsonaro. Em entrevista, em dois momentos o petista pediu que Bolsonaro se curvasse à opinião de médicos e cientistas, e chegou a pedir que o presidente "feche a boca".

"Bolsonaro, quando é que você vai assumir a responsabilidade de parar de brincar e governar esse país?", questionou durante entrevista ao programa de Reinaldo Azevedo, na BandNews FM. Em seguida, disparou: "Fecha a boca, Bolsonaro!"

Foi a mais ampla entrevista a um veículo brasileiro desde que teve as condenações pela Lava Jato anuladas pelo Supremo Tribunal Federal (STF), há doze dias. Ao tratar da condução do governo federal, Lula dobrou a aposta contra o atual presidente.

"Espero que o Bolsonaro esteja assistindo nosso programa, o Bolsonaro saber que não tem jeito esse país se não houver um salário emergencial de R$ 600 até terminar essa pandemia, e que essa pandemia só vai terminar quando houver vacina para todo mundo", disse – e então disparou diretamente: "Então deixe de ser ignorante, presidente. Pare de brigar com a ciência, pare de tentar com seus milicianos. Fale para 220 milhões de pessoas."

O presidente fez um voto de confiança ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, mas atacou a escolha de Bolsonaro por Carlos Alberto França para o Ministério das Relações Exteriores. Para Lula, França chegou ao posto apenas pela amizadecom a família presidencial.

"Esse cara não tem cacife para ser um ministro das relações exteriores do tamanho do Brasil. Ele podia ter escolhido um embaixador conservador que tem muitos, um embaixador liberal que tem muitos. No entanto ele escolheu alguém que não foi embaixador em nenhum país, e nunca fez nada a não ser trabalhar no setor de cerimonial", resumiu Lula.

Eleições de 2022

Lula tangenciou alguns temas relativos às eleições de 2022. Questionado se o nome da empresária Luiza Trajano poderia compor sua chapa como vice-presidente, o petista indicou que ela não é cogitada no momento.

"Ela é uma mulher excepcional, e não acredito que a Luiza Trajano se meta na política", comentou. Para o ex-presidente, é improvável que "uma pessoa que construiu a vida que ela construiu, da forma que ela construiu, que ela vá deixar esse exemplo dignificante de sucesso para se meter na política."

Lula também se valeu da entrevista para comentar o manifesto de seis candidatos presidenciáveis à eleição de 2022, em prol da democracia – Lula não assinou.

Apesar de aplaudir a proposta, o ex-presidente também revelou certa mágoa: "Sou favorável e aplaudo qualquer manifesto que defenda a democracia. Agora essa gente, todos eles tiveram a chance, em 2018, de deixar a democracia garantida votando no Haddad. Essa gente preferiu votar no Bolsonaro", afirmou.

O ex-presidente disse que o ano de 2021 não deve ser destinado às discussões políticas sobre o próximo ciclo eleitoral.

"Esse ano é o ano em que todos nós que temos responsabilidade com esse país, que façamos um todo um esforço para conseguir que esse país consiga vacinas para vacinar todo mundo, que a única garantia que nós vamos ter", disse.

"Temos que garantir a ajuda emergencial para que o povo possa ficar em casa, e que possa comer – e temos que ter ajuda emergencial para que o microempreendedor e o pequeno empresário possam ficar abertos e funcionando. É isso que temos que fazer este ano, prioritariamente."


> É hora de #Jairembora
> Férias de Bolsonaro custaram R$ 2,4 mi aos cofres públicos, diz governo

Continuar lendo