Prestadora de serviços ao Governo atua gratuitamente para Renan Bolsonaro

A cobertura da festa de inauguração da empresa do quarto filho do presidente Jair Bolsonaro, Jair Renan Bolsonaro, de 22 anos, foi realizada de forma gratuita por uma produtora de conteúdo digital e comunicação que presta serviços ao Governo Federal. Somente em 2020, a empresa recebeu do governo um montante no valor de R$ 1,4 milhão através de contratos. As informações são do jornal Folha de São Paulo.

>Bolsonaro veta ajuda de R$ 4 bi a setor de transporte público

Segundo a reportagem, o proprietário da Astronautas Filmes, Frederico Borges de Paiva, esteve no evento e aparece em imagens, interagindo com o filho do presidente, abraçando e brincando com Jair Renan.

A empresa foi responsável pela produção de trabalhos para o Ministério da Saúde, filmes publicitários para o Ministério da Educação e para programas ligados ao Ministério do Turismo, como o Pátria Voluntária, coordenado pela primeira-dama, Michelle Bolsonaro. Alguns desses trabalhos são exibidos no seu portfólio.

Segundo o jornal, o proprietário da Astronautas admitiu ter realizado serviços para a empresa do Rean. "Trocamos por permuta pela divulgação das nossas marcas, assim como fazemos em diversos outros projetos", explicou Paiva à Folha.

A cerimônia de inauguração foi feita em outubro, no camarote 311 do estádio Mané Garrincha, em Brasília, sede da empresa Bolsonaro Jr Eventos e Mídia. A empresa é voltada para a criação de conteúdo publicitário para feira, leilões, congressos, conferências e exposições comerciais e profissionais, além de fornecer profissionais para operar na infraestrutura de eventos, entre outras atividades.

O evento foi realizado junto com o MOB Fit, empresa ligada ao ex-personal trainer de Renan e subsecretário de Programas e Incentivos Econômicos do Distrito Federal, Allan de Lucena.

A revista Veja revelou a abertura da empresa do Renan. Segundo a reportagem, Renan chegou a solicitar uma audiência ao gabinete da Presidência da República para tratar de interesses comerciais de um dos seus patrocinadores do Espírito Santo. O pedido foi encaminhado ao ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, por meio de um assessor especial do presidente.

A Secretaria de Comunicação da Presidência foi questionada pela reportagem através do Planalto e limitou-se a informar que "a Secretaria Especial de Comunicação Social não tem contrato com a referida empresa". A Folha informa ainda que Renan não respondeu aos seus questionamentos.

Congresso em Foco tentou contato com Renan Bolsonaro e até o momento da publicação desta nota não obteve resposta. A reportagem será atualizada caso os citados desejem se posicionar.

>Senado deve votar Lei do Gás e nova Lei de Licitações

Continuar lendo