Guedes corta salário extra de R$ 21 mil de Marinho ao retirá-lo de conselho

O ministro da Economia, Paulo Guedes, decidiu retirar o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, do posto de representante do Ministério da Economia no Conselho Fiscal de Serviço Social de Comércio (Sesc). A decisão foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (17) (íntegra).

Para exercer a função, Rogério Marinho recebia uma remuneração extra de até R$ 21 mil. No lugar dele foi nomeado o ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos.

Rogério Marinho entrou no governo como um dos principais auxiliares de Paulo Guedes. Em fevereiro de 2019, quando comandava a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, foi nomeado para o posto no Sesc. Neste ano, ele foi promovido para ministro do Desenvolvimento Regional e tem protagonizado embates com o chefe da área econômica em relação ao nível de gastos públicos.

>Guedes rebate Marinho: “se falou mal de mim, é despreparado, desleal e fura teto”

Marinho defende o impulsionamento de obras e é um dos principais incentivadores das viagens que o presidente Jair Bolsonaro faz pelo Brasil para fazer inaugurações. Já Guedes tem receio que o foco em investimentos na infraestrutura atinja a agenda de ajuste fiscal e dê um mau sinal aos investidores, que esperam que a regra do teto de gastos seja cumprida. O ministro da Economia já chegou a chamar Marinho de "desleal" e "fura teto".

Reportagem do jornal Folha de S. Paulo publicada na terça-feira (13) revelou que Marinho é um dos ministros que mais acumulavam gratificações, rompendo o teto do funcionalismo público (R$ 39,3 mil). Sem a remuneração extra de R$ 21 mil, o ministro ficará com o salário de R$ 30,9 mil.

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!