Governo edita vídeo que critica máscaras, mas esquece de trocar endereço

Durante a sessão da CPI da Covid de 18 de junho, o ex-chanceler Ernesto Araújo foi questionado sobre um vídeo publicado no site da Fundação Alexandre de Gusmão (Funag) com uma palestra que falava sobre a “nocividade do uso de máscaras”. 

O vídeo foi removido pelo YouTube no ano passado por disseminar informações falsas, mas continuava publicado na página da Funag até a sessão da CPI. Foi só então que o título mudou de “nocividade do uso de máscaras” para um genérico “considerações sobre o uso de máscaras”.

Na hora de atualizar a página, no entanto, os administradores esqueceram de mudar o endereço que leva ao vídeo. Até o início da tarde desta segunda-feira (12), o link ainda falava sobre os perigos das máscaras. Optamos por não reproduzir o endereço para evitar a circulação de desinformação.

Na CPI, Araújo disse que eram apenas “opiniões” dos palestrantes. O rastreamento nos vídeos foi feito pelo responsável pelo perfil @Tesoureiros no Twitter, que tem reunido documentação sobre o posicionamento de membros do governo federal diante da pandemia.

Durante a gestão de Araújo, a Funag se transformou em um dos principais expoentes de propagação de ideias bolsonaristas. Trata-se de um braço de estudos e debates do Itamaraty que, até sexta-feira (9), era comandada por um olavista, Roberto Goidanich.

Sob Goidanich, a Funag passou a transmitir palestras e debates com influenciadores ligados ao bolsonarismo, como Allan dos Santos, do Terça Livre, e Leandro Ruschel, que criticam medidas de isolamento social.

O novo ministro das Relações Exteriores, Carlos França, já havia manifestado intenção de trocar o comando da Funag por causa do perfil ideológico de Goidanich. No lugar dele, assume Márcia Loureiro, da representação do Brasil em Los Angeles.

> CPI: Queiroga, Pazuello, Ernesto e mais 11 serão investigados. Veja quem são

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito.
Mantenha o Congresso em Foco na frente.
JUNTE-SE A NÓS

Continuar lendo