“Golden shower” aparece entre as pesquisas em alta no Google em 2019

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) provocou uma onda de interesse pelo termo golden shower no Google em 2019. É o que mostra dados do Google Trends, plataforma do buscador que reúne dados de busca dos usuários. De acordo com o site, a pergunta "o que é golden shower" foi a quarta mais buscada na categoria "o que é" entre os brasileiros.

> Estudo dos tuítes de Bolsonaro revela o que o presidente mais ama e mais odeia



O pico de interesse pelo termo ocorreu em março, durante o carnaval, quando o presidente publicou um vídeo em sua conta no Twitter mostrando dois homens dançando sobre um ponto de táxi em um bloco de rua no carnaval paulistano. Um deles coloca o dedo no ânus e se abaixa para urinar no outro.

"Não me sinto confortável em mostrar, mas temos que expor a verdade para a população ter conhecimento e sempre tomar suas prioridades. É isto que tem virado muitos blocos de rua no carnaval brasileiro. Comentem e tirem suas conslusões (sic)", afirmou na época.

Com a publicação, o termo golden shower ganhou relevância nas redes sociais, levando o presidente a perguntar no Twitter "o que é golden shower?". Após uma repercussão negativa, ambas as postagens foram deletadas da conta do militar.

O episódio provocou comentários fora do Brasil, com reportagens sobre o tema nos jornais New York Times, The Guardian e Le Monde. Também nessa época, o interesse pelo presidente brasileiro atingiu seu pico nas buscas do Google de usuários estrangeiros, em 2019, superando, inclusive, a crise internacional com as queimadas na floresta Amazônica.


De acordo com o Google Trends, as listas são baseadas nos termos de pesquisa que tiveram o maior aumento neste ano em comparação com o anterior.

AI-5

Outra pergunta que aparece no top 10 do Google na categoria "o que é" é relacionada ao Ato Institucional nº 5, o mais duro de toda a ditadura militar. O termo ficou em 7º lugar e teve seu pico de interesse entre 27 de outubro e 2 de novembro, período em que Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) defendeu a possibilidade do ato ser decretado novamente, caso houvesse uma radicalização da esquerda.

> Eduardo Bolsonaro acena com ditadura se Brasil repetir Chile

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!