Gleisi questiona agradecimento de Bolsonaro a Villas Bôas: “O que o general fez?”

A presidente do PT, a senadora e deputada eleita Gleisi Hoffman (PT-PR), questionou, em sua conta no Twitter, trecho do discurso do presidente Jair Bolsonaro (PSL) durante transmissão de cargo ao novo ministro da Defesa, o general Fernando Azevedo e Silva, nessa quarta-feira (2).

Na solenidade, o novo presidente agradeceu ao comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, por ser um dos “responsáveis” por ele estar ali. “General Villas Bôas, o que já conversamos ficará entre nós. O senhor é um dos responsáveis por eu estar aqui”, disse.

Gleisi cobra explicações sobre o que foi discutido entre os dois. “O que o general fez para garantir essa eleição?”, perguntou a senadora, que também questionou “o que falta confessar sobre o ataque a Lula e à democracia”.

Declaração no Twitter

Em novembro, já após a eleição de Bolsonaro, o comandante das Forças Armadas se manifestou publicamente pela primeira vez depois que fez advertências, em redes sociais, na véspera do julgamento em que o Supremo Tribunal Federal (STF) negou habeas corpus ao ex-presidente Lula. Na ocasião, o militar escreveu uma mensagem de "repúdio à impunidade" e que o Exército brasileiro "se mantém atento às suas missões institucionais". A mensagem soou como uma ameaça de ação militar em caso de soltura do presidente, que viria a ser preso quatro dias depois, em 7 de abril.

"Eu reconheço que houve um episódio em que nós estivemos realmente no limite, que foi aquele tuíte da véspera do votação no Supremo da questão do Lula. Ali, nós conscientemente trabalhamos sabendo que estávamos no limite. Mas sentimos que a coisa poderia fugir ao nosso controle se eu não me expressasse. Porque outras pessoas, militares da reserva e civis identificados conosco, estavam se pronunciando de maneira mais enfática. Me lembro, a gente soltou [postagem no Twitter às] 20h20, no fim do Jornal Nacional, o William Bonner leu a nossa nota", recorda o militar, em entrevista ao jornalista Igor Gielow, do jornal Folha de S.Paulo.

Lula solto poderia tirar militares do controle, diz comandante do Exército: “Estávamos no limite”

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!