Futuro chanceler diz que Itamaraty “era a casa do MST”

O futuro ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, anunciou na noite da última quinta-feira (20) que o novo Itamaraty terá um Departamento do Agronegócio, que trabalhará em parceria com o Ministério da Agricultura para abrir mercados aos produtos brasileiros. "Nos governos petistas, o Itamaraty foi a casa do MST. Agora estará à disposição do produtor", escreveu ontem o futuro chanceler no Twitter.

Araújo fez uma alusão indireta a críticas como a de que o Brasil, ao anunciar que mudará a sede da embaixada em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, arriscará seu comércio com países árabes. Na última quarta (18), a Liga Árabe prometeu retaliações se a embaixada realmente for mudada. O futuro chefe do Itamaraty defende que o país tenha "voz e opinião própria" para se fazer respeitar no mercado internacional.

"O Brasil não deixará de exportar frango e soja, carne e açúcar, mas passará a exportar também esperança e liberdade. O fato de ser uma potência agrícola não nos proíbe de ter ideais e de lutar por eles", escreveu o indicado para o ministério pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

Segundo Araújo, as embaixadas no Brasil pelo mundo serão orientadas a "promoverem os produtos agrícolas brasileiros ativa e sistematicamente", assim como a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex).

O que diz o pacto de migração da ONU e por que Bolsonaro vai abandoná-lo

 Indicado a secretaria do Itamaraty apoiou Bolívia no Mercosul

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!