FHC: “crenças atrasadas” do governo Bolsonaro atrapalham destino do país

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso publicou um artigo criticando o governo Bolsonaro

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC) criticou o governo de Jair Bolsonaro neste domingo (02). Em um artigo publicado no Estadão, FHC lamentou o fato do governo flertar com crenças "atrasadas que podem prejudicar no largo prazo o nosso destino como nação". O ex-presidente, que também fez carreira como sociólogo e professor, disse que o governo precisa abandonar o criacionismo e o terra-planismo.

> Bolsonaro diz que indigenistas prestam desserviço para a nação; veja o vídeo

"É pena ver o governo atual mergulhado em crenças atrasadas que podem prejudicar no largo prazo o nosso destino como nação. Se, em vez de namorar o criacionismo e o “terra-planismo” – uma quase caricatura –, os que nos governam acreditassem mais na ciência, na diversidade e na liberdade", disse FHC.

Para o ex-presidente, o governo deveria cessar com a "guerra contra o marxismo cultural e o globalismo", tantas vezes verbalizados pelo próprio Bolsonaro quanto por seus ministros e deveria focar em levar ao povo mais educação, ciência e tecnologia. "Se, em vez de guerrear contra fantasmas (como o “globalismo” ou a penetração “gigantesca” do “marxismo cultural”), os que se ocupam da educação, da ciência e da tecnologia no Brasil voltassem sua vista para observar como se dá a competição entre as grandes potências e dedicassem mais atenção à base científico-tecnológica requerida para desenvolvimento de um país moderno, democrático e que preza a liberdade, estaríamos mais seguros de que nossas inquietações, com o tempo, encontrarão solução", disse.

Fernando Henrique Cardoso teme que o Brasil fique muito para trás em relação aos outros países, justamente por não focar no desenvolvimento intelectual e tecnológico. "No mundo contemporâneo, a tradução de ciência em tecnologia se acelerou. E o Brasil tem mostrado dificuldade de acompanhar essa aceleração, o que tende a aumentar a distância entre nós e os países mais avançados, limitando as nossas possibilidades de desenvolvimento".

FHC disse invejar os norte-americanos por, apesar das fortes separações raciais, terem desenvolvido um forte sentimento de nação. "Será que conseguimos de verdade criar uma nação consciente de seu destino comum e acreditar que ele seja bom?", questionou ao leitor.

> As teorias do novo presidente da Funarte sobre o rock

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!