“Eu não deixaria sair sozinha não”, brinca Bolsonaro com mulher “bonita”

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) convidou um grupo de estudantes de direito de Limeira (SP) para fazer um tour no Palácio da Alvorada nesta quinta-feira (13). A visita pelos cômodos da casa presidencial durou 36 minutos e foi transmitida ao vivo pelo Facebook do militar.

> Proposta de Bolsonaro de zerar alíquota do ICMS é inviável, dizem governadores

Composto por 35 mulheres e quatro homens, segundo uma apoiadora que falou no vídeo, o grupo tietou o presidente do começo ao fim da visita, com selfies, vídeos e elogios. Grande parte deles com caráter religioso.

"Pai eu quero te agradecer, Senhor eu quero te louvar pela vida do nosso presidente. Nós sabemos que foi o Senhor que levantou, Pai, para governar a nossa nação. Nós queremos agradecer pela vida dele", disse uma das visitantes, no começo da visita, quando o grupo fez uma oração.

Em determinado momento, uma das visitantes pediu para o presidente mandar um recado para o seu noivo, que é um fã do militar. Em resposta, Bolsonaro brincou: "Ô Luiz, namorada bonita, hein? Eu não deixaria sair por ai sozinha não". A piada levou o grupo às risadas.

Em seguida, o presidente começou a  caminhar pelo palácio, enquanto os fãs gravavam os arredores da casa e pediam fotos e vídeos com o militar. "Posso tirar uma selfie?", disse uma delas.

Após o tour, Bolsonaro e os visitantes pararam em uma sala, e o presidente começou a comentar assuntos políticos. Ele começou falando da ideia do governo de transformar a estação ecológica de Tamoios, onde foi multado por pesca ilegal, na "Cancún brasileira".

"Eu tenho 1 bilhão de reais dos árabes pra gente fazer algo parecido com Cancún ali, mas para revogar esse decreto eu preciso do parlamento. A gente tá conversando, devagar...", disse.

Bolsonaro criticou também a quantidade de território brasileiro destinado para terras indígenas, quilombolas, áreas de proteção ambiental, parques nacionais e estações ecológicas. "Nós temos praticamente 60% do território brasileiro reservado para... não pode fazer nada. Eu não demarquei nada ano passado, zero, zero", disse.

'Índio tá se aculturando'

O presidente Bolsonaro afirmou que, "graças a Deus", o índio com o passar dos anos está se "aculturando" e defendeu o projeto de lei que regulamenta a exploração de terras indígenas.

"Nós, depois de muito trabalhar, apresentamos um projeto há uns 15 dias permitindo que o índio faça na sua terra exatamente o que o fazendeiro faz do lado. Possa plantar, garimpar, abrir para turismo, tudo. E, logicamente, com o consentimento do índio local", disse. Apesar disso, o texto enviado para a Câmara não prevê poder de veto aos povos indígenas, apenas de consulta.

Segundo Bolsonaro, "a indústria da demarcação da terra indígena" pegou as "áreas mais ricas do Brasil", o que inviabilizaria, por exemplo, o desenvolvimento econômico da Amazônia.

O militar aproveitou os comentários negativos sobre a legislação ambiental para atacar a deputada indígena Joênia Wapichana (Rede-AP), crítica do projeto de lei da exploração das terras indígenas e da postura do atual governo sobre o tema.

"Eu gostaria que ela pregasse aos irmãos índios que conseguissem fazer o que ela fez: curso superior, anda de avião, gosta de camarão", disse.

Planalto militarizado

O presidente comentou também a reforma ministerial confirmada nesta quinta-feira, com a transferência de Onyx Lorenzoni para o Ministério da Cidadania e a chegada do general Braga Netto para ocupar o posto na Casa Civil.

"Trocamos hoje dois ministros. Ficou completamente militarizado o meu terceiro andar. São quatro generais ministros agora. Nada contra civis, tem civis excepcionais ai, trabalhando com o Sergio Moro, por exemplo", disse.

Bolsonaro também elogiou o advogado-geral da União, André Luiz de Almeida Mendonça, e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. "Como é que eu digo que ele é muito bom? Dado as críticas. Se o Che Guevara te elogia eu não vou mais gostar de você", brincou.

Imigração e Fake News

Ele também citou o problema dos imigrantes venezuelanos que vão para Roraima em busca de melhores condições sociais. Segundo Bolsonaro, há uma intenção do governo de criar um campo de refugiados para acolher os imigrantes.

"São irmãos nossos, tão fugindo da fome, da miséria, da violência, da morte, mas nós não podemos condenar o povo de Roraima a ter sua cidade superpovoada", disse. Em seguida, Bolsonaro afirmou que não mencionou esse assunto com a imprensa porque iriam "distorcer" suas falas, o classificando de "xenófobo".

Nesse momento, Bolsonaro citou as acusações feitas pelo ex-funcionário da empresa de marketing digital Yacows Hans River contra a jornalista da Folha de S.Paulo Patrícia Campos Mello. "A Folha foi pra cima do cara, mas quando falam de mim qualquer coisa é verdade", comentou.

De acordo com o militar, a imprensa precisa dizer a verdade. "Não pode dar parecido, não pode dar opinião", defendeu.

> Greenpeace rebate Bolsonaro: “postura incondizente com o cargo”

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!