Eduardo faz trocadilho com sigla LGBT, armas, Bolsonaro e Trump

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) publicou na noite de sábado (12) uma mensagem nas redes sociais na qual afirma que o seu pai, o presidente da República, Jair Bolsonaro, ressignificou a sigla LGBT (Lésbicas Gays Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros).

De acordo com o deputado eleito pelo PSL de São Paulo a ideia partiu de uma “equatoriana que mora na Argentina”, que o presenteou com uma camisa com o trocadilho.

>Jair Bolsonaro, o mito de pés de barro

>Justiça manda Ancine retomar edital de séries com temática LGBT

No sábado, o terceiro filho do mandatário da República organizou em São Paulo a versão brasileira da Conservative Political Action Conference – Conferência de Ação Política Conversadora, em tradução livre -, a CPAC Brasil.

O evento original foi idealizado por Steve Bannon, ex-estrategista do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que foi demitido pelo  governo e hoje não possui mais ligação com a administração federal estadounidense.

Também presente no evento, a deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) gravou um vídeo no qual o colega de bancada na Câmara diz que o “conceito de LGBT foi atualizado com sucesso”.

Na evento brasileiro participaram alguns ministros de Estado com Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos), general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e Abraham Weintraub (Educação).

No mesmo dia, Eduardo afirmou que o presidente Jair Bolsonaro “não se curva ao gayzismo”. A mensagem veio acompanhada de um vídeo do pai chegando à missa  em São Paulo em comemoração ao dia da Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida, celebrado todo dia 12 de outubro.

armasDonald TrumpEduardo BolsonaroJair BolsonaroLGBT