Deputado entra com ação contra Caixa por irregularidade em auxílio

O deputado federal João Campos (PSB-PE)  entrou com uma ação (íntegra) de improbidade administrativa contra o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães. A representação questiona a ação do presidente do banco estatal de determinar que, em um primeiro momento, os beneficiados só possam receber a segunda parcela do auxílio emergencial de R$ 600 por meio da Caixa.

O impedimento diz respeito aos que recebem o benefício pela poupança digital, o que representa cerca de 20 milhões dos  60 milhões de beneficiados. O número pode subir porque o banco informou que os cadastros para acessar o programa permanecerão abertos até julho. O Ministério da Cidadania, comandado por Onyx Lorenzoni, afirma que o auxílio deve alcançar 70 milhões de pessoas.

>Caixa divulga datas dos pagamentos do auxílio emergencial; veja o cronograma

“A medida contraria frontal e literalmente a lei. A conduta do presidente da CEF torna-se ainda mais crítica considerando a dramática situação vivenciada pelos cidadãos que dependem do benefício emergencial para sua própria subsistência. Se esse direito à transferência for retirado, as pessoas podem precisar sair de casa para fazer qualquer operação desse tipo”, declarou o deputado do PSB.

Para justificar a ação, João Campos disse que a lei que criou o benefício do auxílio emergencial garante a operação. O texto diz que é assegurada "no mínimo, uma transferência eletrônica de valores ao mês sem custos para conta bancária mantida em qualquer instituição financeira habilitada a operar pelo Banco Central”.

>Bolsonaro veta auxílio para motoristas de aplicativos e mais categorias

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!